O partido Republicanos está negociando uma entrada no primeiro escalão do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e mira o Ministério dos Esportes, atualmente ocupado por Ana Moser. Com o objetivo de fornecer mais votos em votações importantes e ampliar o diálogo com os governistas, o partido já escolheu o nome do deputado Silvio Costa Filho (PE), que tem uma boa relação com o Planalto. Seu nome dele foi indicado pelos líderes do partido, confirmado por pessoas próximas a Lula e também pelo Republicanos.

O início do contato coincide com uma crise entre Tarcísio e o ex-presidente Jair Bolsonaro em relação à Reforma Tributária. Durante uma reunião sobre o tema na quinta-feira, 6, Tarcísio foi interrompido pelo ex-presidente e vaiado pela ala bolsonarista do PL.

O Ministério dos Esportes é considerado um ministério com ampla abrangência, no qual projetos sociais podem ser integrados em conjunto com a atuação de igrejas espalhadas pelo Brasil – os Republicanos têm ligações históricas com o segmento evangélico. A possível nomeação de Costa Filho para a liderança do ministério poderia ampliar os diálogos em andamento, que já são considerados “bons” pelas duas partes, apesar de algumas diferenças ideológicas.

Na votação da Reforma, em que Tarcísio atuou como articulador, a bancada do partido entregou 36 votos a favor e apenas três contrários. As conversas entre o governo e o partido já estão em andamento há pelo menos um mês, e o principal interlocutor com o Planalto é o líder dos Republicanos na Câmara, o deputado federal Hugo Motta (PB).

Além de fornecer votos e ter uma boa relação com o Planalto, os Republicanos têm como objetivo mirar a sucessão de Arthur Lira (PP-AL) na presidência da Câmara em 2025. O presidente do partido, Marcos Pereira, é visto como um dos principais concorrentes ao lado de Elmar Nascimento, líder do União Brasil – partido que possui três indicações ministeriais e deve oficializar Celso Sabino como Ministro do Turismo na próxima semana.

Com Bolsonaro inelegível, os republicanos entendem que este é o momento de aprofundar os diálogos com ministros e com Lula. Caso assuma o Ministério do Turismo, uma suposta disputa entre Pereira e Elmar seria encerrada, afirmam líderes dos republicanos. No entanto, o partido já deixou claro que manterá suas divergências, mesmo assumindo o ministério, quando se tratar de votações sobre questões relacionadas a costumes.

O Planalto, que tem interesse em contar com o apoio do partido, avalia que a figura de Tarcísio de Freitas é um ponto sensível nas negociações, já que ele é visto como um possível adversário de Lula na reeleição, no campo da direita. O avanço das conversas dependerá do momento oportuno do partido, para evitar que a entrada do partido cause divisões internas.

O governo também quer evitar que, após o acordo ser selado, o governador de São Paulo reaja à adesão ou encoraje uma oposição organizada. Aos interlocutores, Pereira afirmou que não pretende resistir à nomeação de Costa Filho para o Ministério dos Esportes, mas também não assumirá o papel de garantidor da mudança e não deseja criar atritos com Tarcísio. Caso as consequências prossigam, ele manterá o discurso de que o parlamentar é uma “cota pessoal” do presidente.

Procurado, Pereira não recusou a possibilidade de Costa Filho assumir a pasta, mas evitou comentar sobre a indicação e reforçou a independência do partido. “O Republicanos não indicará ministério no governo e seguirá independente”, afirmou.

Ana Moser, atual ocupante do cargo, é considerada “uma escolha pessoal” de Lula para o cargo, e diante da iminente saída de Daniela Carneiro do Ministério do Turismo, os governistas estão preocupados com a substituição de mais uma mulher por um homem não primeiro escalão. Em uma entrevista à GloboNews, a ministra sentiu a pressão em relação ao cargo.

“Estamos trabalhando nesses 6 meses com a missão dada pelo presidente Lula de fazer uma revolução no esporte. Temos conversado muito com prefeitos, deputados, para saber quais são as demandas para o esporte em todo o Brasil. As pressões são normais, são do jogo. O que a gente faz é trabalhar”, pontuou.