O PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, desembolsou pelo menos R$ 870 mil em um período de seis meses para cobrir os salários do ex-mandatário, da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, do ex-ministro Walter Braga Netto e de outras dez pessoas associadas a eles. Esses números foram obtidos através de um levantamento realizado pelo UOL, com base nos registros financeiros apresentados pelo partido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No conjunto, Bolsonaro, Michelle e cinco colaboradores que atuaram diretamente na Presidência da República receberam R$ 353 mil líquidos (remuneração após descontos) entre janeiro e junho. Vale ressaltar que esses pagamentos são financiados pelo Fundo Partidário, uma fonte de recursos públicos que cobre as despesas operacionais dos partidos políticos e, em anos eleitorais, as campanhas.

Os salários variam, com valores que vão de R$ 30,4 mil (a remuneração de Bolsonaro e Michelle) a R$ 7.800. Bolsonaro recebeu esses valores nos meses de maio e junho, enquanto Michelle os obteve de março a junho. Até o momento, o PL não forneceu informações sobre os valores pagos a eles durante o segundo semestre.

No caso de Walter Braga Netto, vice na chapa presidencial de Bolsonaro na última eleição, e de cinco colaboradores próximos do general, o total recebido no primeiro semestre foi de R$ 416 mil. Eles desempenharam funções nos ministérios da Defesa e da Casa Civil, muitas vezes dentro do gabinete pessoal de Braga Netto.

Além disso, a lista inclui o tesoureiro da campanha conjunta de Bolsonaro e Braga Netto em 2022, o coronel da reserva Marcelo Lopes de Azevedo, que recebeu R$ 101 mil em salários.

Os papeis de Bolsonaro, Michelle e Braga Netto nas inserções do PL na televisão | Lauro Jardim - O Globo
Bolsonaro, Michelle e Braga Netto. Foto: reprodução

Vale destacar que Bolsonaro assumiu o cargo de presidente de honra do PL graças a Valdemar da Costa Neto, o presidente nacional do partido. Paralelamente, Michelle assumiu o controle do PL Mulher, que gere cerca de R$ 10,6 milhões anualmente, o que equivale a 5% dos recursos do Fundo Partidário destinados ao PL.

No momento da negociação dessas posições, todos os três receberam o compromisso de Valdemar de receber salários equivalentes aos de cargos públicos. Assim, o salário de Bolsonaro corresponde ao dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), enquanto Braga Netto e Michelle têm direito à mesma remuneração que os deputados federais.

Além dos pagamentos recebidos do PL, Bolsonaro acumula rendimentos de aposentadorias como capitão do Exército da reserva e deputado federal, totalizando R$ 34 mil mensais em valores líquidos.

A renda mensal familiar de Bolsonaro e Michelle totaliza R$ 95 mil. Por sua vez, Braga Netto acumula o pagamento do PL com R$ 23,9 mil líquidos de sua aposentadoria como general.