“Bandido é a puta que lhe pariu, não é no meu gabinete que fazem rachadinha não”, escreveu o deputado federal André Janones (Avante) sobre acusação de rachadinha em seu gabinete. Em áudio divulgado pelo Metrópoles, Janones cobra que os assessores lotados em seu gabinete usassem parte dos salários para pagar suas despesas pessoais.

“A história: eu (quando ainda não era deputado), disse para algumas pessoas (que ainda não eram meus assessores) que eles ganhariam um salário maior do que os outros, para que tivessem condições de arcar com dívidas assumidas por eles durante a eleição de 2016. Ao final, a minha sugestão foi vetada pela minha advogada e, por isso, não foi colocada em prática. Fim da história”, escreveu nas redes sociais.

A versão apresentada por ele, no entanto, é contraditória considerando que Janones deixa claro no áudio que já estava no exercício do mandato. Além disso, disse que participaria de uma sessão no plenário horas após a reunião, ocorrida dentro da própria Câmara dos Deputados, na qual estipulou a rachadinha.

“Algumas pessoas aqui, que eu ainda vou conversar em particular depois, vão receber um pouco de salário a mais. E elas vão me ajudar a pagar as contas do que ficou da minha campanha de prefeito. Porque eu perdi R$ 675 mil na campanha. ‘Ah isso é devolver salário e você tá chamando de outro nome’. Não é. Porque eu devolver salário, você manda na minha conta e eu faço o que eu quiser”, iniciou o deputado no áudio.

Ao mesmo tempo que tentava dar ares de legalidade à rachadinha, Janones demonstrou saber que a revelação da prática poderia pôr em risco o seu mandato como deputado federal. Em determinado momento, ele diz que jamais admitiria “cargo fantasma” em seu gabinete.