Militares da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) foram flagrados participando do acampamento bolsonarista em frente ao Quartel-General (QG) do Exército, em Brasília. Coronéis das duas corporações gravaram vídeos e incentivaram o aquartelamento montado contra o resultado da eleição presidencial brasileira de 2022. A informação é do site Metrópoles.

O coronel da reserva da PMDF Antônio Carlos era um dos vistos com frequência no local. Em 5 de novembro de 2022, ele divulgou um vídeo em tom de ameaça. “Quem fez coisa errada que se cuide. A cobra vai fumar”. O militar declarou que a “situação seria resolvida”.

Outro oficial da PMDF, o tenente-coronel da reserva Florestan Mattos postou fotos no acampamento em algumas ocasiões. Nas imagens, ele sempre aparece vestindo camiseta da Seleção Brasileira e ostentando a bandeira do Brasil.

Casado, nome de guerra de outro coronel da PM, foi outro integrante a participar do acampamento. Em uma gravação, ele chamou policiais militares da ativa e veteranos para fortalecer o movimento. Nas palavras dele, “para que recoloquem o Brasil de volta à democracia”.

A subtenente da reserva da PMDF Angélica “Kate Marrone” aparece eufórica. Ela foi candidata não eleita ao cargo de deputada federal nas eleições de 2022 pelo PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro.

O CBMDF também teve um integrante de alta patente envolvido com as manifestações. Mário Lopes Conde chegou a ser chefe-adjunto da Casa Militar do DF no governo tampão de Rogério Rosso. Em 2 de novembro, o oficial publicou vídeo no acampamento do QG do Exército.

Respostas

O Metrópoles entrou em contato com o comando do CBMDF. “As imagens serão encaminhadas à Corregedoria do CBMDF para averiguação da conduta do militar em lide. Reforçamos que esta corporação não compactua com possíveis condutas que sejam incompatíveis com os preceitos que regem a instituição”, afirmou, em nota. A PMDF foi acionada, mas não se manifestou.