O deputado estadual Amauri Ribeiro (UB) foi indiciado pela Polícia Civil (PC) por racismo na modalidade homofobia. Para a corporação, ele objetivou ‘demonizar’ pessoas gays, colocando-as como ‘uma ameaça ao modelo heterossexual’, fato que, conforme a polícia, ‘extrapola a liberdade de expressão’. 

O parlamentar havia sido denunciado após publicar uma imagem nas redes sociais, em que ele estaria associando pessoas LGBTQ+ a algo nocivo. A postagem foi realizada no dia 4 de abril deste ano. Nela, é possível ver um braço negro com um desenho de arco-íris (que simboliza a comunidade LGBTQ+), e uma outra mão, essa branca, segurando a primeira, com a frase: “na minha família não!”. 

Intervenção

Como Ribeiro conta com foro parlamentar, a polícia acionou o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ) sobre a possibilidade do inquérito. No entanto, o Ministério Público de Goiás (MP-GO) manifestou-se pela incompetência do TJ, já que o suposto ato de homofobia apontado na denúncia não tem relação com o cargo de Ribeiro na Assembleia Legislativa (Alego). 

A Justiça, então, seguiu o parecer e autorizou o inquérito policial, determinando que Ribeiro deveria ser investigado como cidadão comum, sem foro político. 

O Jornal Opção entrou em contato com o deputado para saber o posicionamento do político, mas não obteve resposta até o momento.