O deputado estadual Clécio Alves (Republicanos), segundo vice-presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), anunciou que seu caminhão compactador de lixo está à venda. Segundo o parlamentar, o veículo foi adquirido com recursos próprios e era usado para recolher rejeitos de Goiânia, que passou por crise no serviço de coleta, realizado pela Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg).

Ele havia sido denunciado ao Ministério Público de Goiás (MPGO) pela iniciativa, considera populista. “Vou vender o caminhão. Eu comprei, mas agora vou vender.”, disse, em vídeo no qual criticou seus denunciantes, a quem chamou de “vermes”. “Disseram que eu não posso fazer serviço ‘pra’ Goiânia, porque a concessão é da Prefeitura. Eu não ‘tô’ cobrando nada”, destacou.

Na sessão ordinária da Alego, na quarta-feira, 18, o deputado usou a tribuna para falar sobre a suspensão da ação. “Parei o serviço. O lixeiro aqui não pode. É um absurdo esse sujeito estar tirando lixo da rua”, ironizou. “Tenho de cumprir as leis e agradar os vermes que que querem tudo, mesmo política boa.”

Defensor do prefeito
Na Casa, Clécio Alves é um defensor aberto da gestão do prefeito Rogério Cruz, seu correligionário no Republicanos. Assim, embora tenha optado por agir por conta própria e paliativamente recolher lixo de pequenos trechos da capital, ele não mencionou a crise na Comurg. A empresa pública, apesar de repasses milionários do Paço, informou que boa parte da frota de veículos está sucateada. Recentemente, a companhia foi alvo de Comissão Especial de Inquérito (CEI) na Câmara, mas a qual não teve nenhum efeito prático. 

Leia também: Prefeitura diz que vai fazer licitações para resolver de vez a coleta de lixo na Capital

“Caminhões quebrados”, responde Comurg sobre falta de coleta de lixo