“Viajar para o Brasil, um país tão longe, abre a sua mente”

Bailarinos da belga The Royal Ballet of Flanders, que se apresentaram na abertura do Festival Internacional de Dança de Goiás, contam do espetáculo e da estadia no país

Este slideshow necessita de JavaScript.

Yago Rodrigues Alvim

Nos últimos dias, a capital goiana tem recebido diversos artistas do Brasil e de muitos outros países. Coreógrafos e bailarinos, eles têm se apresentado no Festival Internacional de Dança de Goiás que contou, em sua abertura, com quatro coreografias dançadas pela belga The Royal Ballet of Flanders. O Opção Cultural conversou com alguns dos bailarinos e com o diretor de elenco, Gabor Kapin. Nas próximas linhas, você confere o bate-papo com Alexander Burton, Brent Daneels, Fiona McGee, Matt Foley, Nicola Willsda e Philipe Lens.

Do Canadá, Alexander já está há um ano na companhia de Antuérpia — uma das maiores cidades belgas e a maior da região de Flanders (“Flandres”, em português). Fiona, da Inglaterra, se dedica há dois anos; e, há mais tempo, quase quatro anos, integra o corpo de baile, a australiana Nicola. Brent e Philipe são da Bélgica. O americano de Virginia Matt foi convidado pelo diretor da companhia, a fim de compor, junto aos demais bailarinos — no Brasil, a apresentação contou apenas com 23 bailarinos — a peça “Fall”; ele se junta ao grupo na próxima estação.
Eis a conversa.

Há quanto tempo a companhia tem se dedicado às coreografias, aqui apresentadas?
Nicola — Já faz um ano que estamos ensaiando-as. Nós começamos a trabalhar em uma delas no fim do ano passado e a temos apresentado durante todo o ano; apresentamo-la em Amsterdã e em muitos países ao redor da Bélgica. E estamos muito felizes de trazer todas elas para o Brasil.

Como veem o espetáculo?
Nicola — Acredito que seja uma boa apresentação para quem não viu muitas danças; afinal, nós temos muitas partes clássicas, com pontas, por exemplo, e também muitas partes bem modernas. Existe, assim, uma variedade que o público pode ver — intercalam-se uma coreografia clássica e uma moderna; outra clássica e mais uma moderna. Dentre elas, cada um tem a sua favorita, e é bem diversa esta escolha. O público sempre apreende diferentes coisas do espetáculo.

Matt — É um espetáculo bem diverso. Ele é composto de elementos clássicos e contemporâneos que, ao se juntarem, representam completamente a dança e seu mundo, bem como a paixão e a versatilidade dos bailarinos.

Retrato de "Faun", dueto interpretado pelos bailarinos Nicola Willsda e Philipe Lens | Foto: Rubens Cerqueira

Retrato de “Faun”, dueto interpretado pelos bailarinos Nicola Willsda e Philipe Lens | Foto: Rubens Cerqueira

E qual a sua favorita?
Nicola — Eu gosto da parte que eu danço (risos). Ela se chama “Faun” e é do nosso diretor Sidi Larbi Cherkaoui. Uma de suas mais rápidas coreografias, “Faun” foi por ele criada há sete anos; e só algumas pessoas ao redor do mundo são autorizadas a dança-la. Portanto, é muito especial dança-la. É bem íntima e conta com uma canção do músico francês Claude Debussy. Eu também gosto da coreografia que se chama “Solo”, do Hans Van Manen, e que conta com três bailarinos. Ela é bem rápida, muito excitante e traz muita virtuosidade dos bailarinos; e o público é bem recíproco a isso.

Matt — A parte que mais gosto também é “Faun”, pelas qualidades da terra que ela traz e por como a música se entrelaça com a dança e com os corpos dos dois bailarinos.

Fiona — Eu danço a última coreografia, “Fall”, que também é do Cherkaoui. Ele a criou há um ano e é muito bom integra-la, pois ele conta com muitos bailarinos no palco e, por mais que a aqui apresentada seja uma versão menor, pois nem todos da companhia puderam vir para o Brasil, mostra uma qualidade de movimento diferente das demais coreografias que trouxemos. O público fica encantado com isso, com todos esses bailarinos, que transmitem uma sensação maravilhosa; e a música também é incrível. Eu também gosto muito da coreografia com os três bailarinos, que dura apenas seis/sete minutos e é muito excitante.

Alexander — Eu concordo com a Fiona, “Fall” é incrível — é a coreografia que eu danço. E, além dela, eu também gosto da primeira, “Four Schumann Pieces”, também do Manen, que é de 1975, e traz muita história.

Brent — Eu gosto muito da coreografia com os três garotos, a qual eu danço; e também de “Faun”.

Philipe — “Faun”, definitivamente. Traz-me toda uma sensação de outro mundo. Ela é incrível! Você entra em um transe, algo assim.

Como é fazer parte de uma companhia tão bem quista pelo mundo?
Nicola — Nós chegamos até aqui por dançarmos, dedicarmo-nos a dança já há um bom tempo; e é muito especial que o nosso grupo tenha chegado tão longe. Sentimo-nos abençoados por todos que puderam vir ao Brasil e se apresentar para um público tão distinto. É uma experiência incrível você viajar e ainda sair com seus amigos de trabalho, ter momentos de descontração, se divertir; isso acresce algo a mais ao trabalho, pois você se sente completamente privilegiado por viajar para um lugar tão longe e dividir o que você ama com essas pessoas e com o público, que é dançar.

Matt — A companhia é realmente maravilhosa. Ela reúne artistas de todos os cantos do mundo e, assim, tem um grupo muito especial. A Royal tem passado por uma transição nos últimos anos; claro, com isso sempre vem alguns contratempos; mas eu acredito que isso fez com que todos se fortalecerem no final. Ela tem trocado de diretores, e com essa mudança, vem uma nova visão artística da companhia. Tem passado de uma companhia de bale clássico para uma companhia contemporânea. Ainda assim, Larbi e Tamas Moricz (codiretor artístico) continuam realçando ambos os aspectos; eles têm destacado os elementos clássicos que constituíram a companhia e estendido uma amostra do lado contemporâneo também. A proposta deles é muito especial.

Retrato de "Fall", peça interpretada pelos bailarinos Matt Foley e Acacia Schachte | Foto: Divulgação

Retrato de “Fall”, peça interpretada pelos bailarinos Matt Foley e Acacia Schachte | Foto: Divulgação

E o que estão achando do Brasil?
Nicola — É maravilhoso! (risos).

Fiona — É muito bom! Ontem mesmo, nós fomos a uma churrascaria e até bebemos caipirinha, que é uma bebida muito gostosa. Alguns da companhia vão conhecer o Rio de Janeiro, saber como é lá. Mas a atmosfera daqui, o clima, por exemplo, são muito bons.

Alexander — Conhecemos a equipe de apoio, de produção, a mídia e isso já nos deu essa atmosfera daqui, que é muito boa. Sentimo-nos muito bem-vindos — é legal se sentir assim (risos).

Matt — Tem sido incrível estar aqui. Em duas ocasiões diferentes, alguns locais nos escutaram, eu e outros bailarinos conversando em inglês, e começaram a conversar conosco; e a outra foi quando eu estava comprando uma maça e uma senhora me disse que ela não era tão saborosa quanto à outra, a qual ela comprou e me deu para provar. Foi muito doce da parte dela. A abertura e a generosidade que eu vivi foi muito emocionante.

Brent — É um mundo completamente diferente, na verdade; é diferente, mas de um modo bom. O clima, as pessoas…

Philipe — Você já foi à Bélgica? Então, é bem diferente. Você deve ser muito mais feliz por passar o inverno aqui (risos). A comida daqui, também, é deliciosa, aqui é cheio de cores; e, claro, as pessoas, que são adoráveis. Viajar assim abre a sua mente.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.