Troféu Tiokô: um “prêmio” para os que colocam a cultura como central na sociedade

Criado na gestão de Miguel Jorge, como presidente da UBE, o Tiokô valoriza os criadores culturais de Goiás

Ademir Luiz

Miguel Jorge, prosador, poeta e dramaturgo: o criador do Tiokô, em 1974 | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

A União Brasileira de Escritores de Goiás (UBE-GO), visando reconhecer méritos e estimular ações artísticas e culturais no Estado, instituiu em 1974, na gestão do presidente Miguel Jorge, o Troféu Tiokô, honraria que ganhou cada vez mais dimensão ao longo das décadas. Em sua atual conformação, são atribuídos três troféus, sete medalhas e dez diplomas de honra ao mérito para personalidades de diferentes áreas de atuação que tiveram destaque no cenário cultural goiano.

As indicações são feitas pelos membros da diretoria da UBE-GO, que votam em escrutínio secreto para definir os premiados. A palavra “Tiokô” significa “Boneca Karajá”. Não por acaso, o troféu símbolo da premiação, concebido pela artista plástica Dina Cogolli, foi inspirado na tradicional boneca de cerâmica feita pelos índios Karajás.

Goiandira Ortiz: professora universitária | Foto: Reprodução

Diplomas e personalidade cultural

Uma máxima conhecida afirma que a política é a arte do possível, porém Edio Gregório foi além e usou a política para tornar a arte possível. Edio Gregório recebeu o diploma de personalidade cultural como reconhecimento pelas ações culturais realizadas durante seus mandatos como prefeito do município de Pires do Rio. Iniciativas muito importantes que devem ser tomadas como exemplo para todos os gestores brasileiros.

O mestre Caetano Veloso canta que “os livros são objetos transcendentes, mas que podemos amá-los do amor táctil”. A professora Goiandira Ortiz, uma amante táctil dos livros, vai receber o diploma de personalidade cultural. Goiandira Ortiz, que em parceria com Ebe Maria de Lima Siqueira e Edina Ázara, criaram a livraria Leodegária de Jesus, um importante ponto de cultura na Cidade de Goiás. O nome da livraria é uma homenagem à autora do primeiro livro escrito por uma mulher em Goiás. É fundamental destacar que, depois de décadas, essa é a primeira livraria mantida em nossa antiga capital.

Cristiano Deveras: escritor e agitador cultural | Foto: Facebook

O diretor de cinema Woody Allen falou de uma “Era do Rádio” no passado. Mas a era do rádio ainda não passou. Ainda é uma das mídias mais importantes da atualidade. O escritor Cristiano Deveras foi laureado com o diploma de personalidade cultural pela divulgação da literatura goiana que realizou por meio da radiodifusão, comentando sobre autores e livros na programação da Rádio Brasil Central. Uma importante iniciativa de divulgação. Cristiano Deveras é um homem de ideias, um militante apaixonado pela causa da cultura. Seus comentários no rádio levavam ao grande público, goiano e brasileiro, importantes informações sobre alguns de nossos mais importantes escritores: Bernardo Élis, José J. Veiga, Augusta Faro, entre outros.

Jalles Guedes (centro): promotor de justiça e doutor em História pela UFG | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

Na peça grega “As bacantes”, o dramaturgo Eurípedes discute a importante da consciência da história para a formação da consciência do ser. Do ser, mas também das instituições. Recebe o diploma de personalidade cultural o promotor e historiador Jales Guedes Coelho Mendonça, pela ação pioneira na difusão da memória institucional do Ministério Público do Estado de Goiás. Sua atuação deve ser considerada um exemplo a ser seguido. Uma instituição sem memória, sem consciência e registro de sua história, é uma instituição sem peso, sem noção do próprio alcance e tamanho. Jales Guedes ajuda o MP-GO a alcançar essa consciência.

“A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte.” Esse é o trecho de uma conhecida música da banda Titãs. Mas quem faz a ponte entre o artista, muitas vezes uma pessoa formada de sonhos, e seu público? Para que uma obra de arte veja a luz do dia é preciso muito trabalho que vai além da atuação artística. Burocracia, papel, projetos, tabelas, cronogramas. Essa difícil etapa da ação artística cabe ao produtor cultural. Alguns deles se tornam símbolos da classe. Esse é o caso de nosso próximo homenageado. Recebe o diploma de personalidade cultural o produtor cultural, escritor e enxadrista Jorge Luis Guimarães, o lendário Jorjão, pelo trabalho de décadas na produção de eventos e ações culturais no Estado de Goiás. Um trabalho de peso, que foi fundamental para que muitas atividades da UBE-GO fossem viabilizadas.

Leonardo Teixeira: escritor e mágico | Foto: Facebook

Carl Sagan disse que “um livro é a prova de que os homens são capazes de fazer magia”. Verdade. Alguns escritores são verdadeiros mágicos, às vezes até mágicos verdadeiros. Recebe o diploma de personalidade cultural o escritor e prestidigitador Leonardo de Lima Teixeira, o famoso Tio Leo, pela difusão da cultura por meio de espetáculos misturando literatura e ilusionismo. Receba da UBE-GO todo nosso respeito, reconhecimento e abracadabra.

Jane, Agatha, Virginia, Cecília, Rachel, Clarice, Cora, Leodegária, Maria, Maria Helena, Lêda, Marietta, Sônia, Nelly, Darcy, Yêda, Augusta, Beth, Rosarita muitas e muitas obras. Eu leio mulheres. Você lê mulheres?  Recebe o diploma de personalidade cultural a escritora, pesquisadora e agitadora cultural Maria Clara Dunck, pelo trabalho realizado à frente do projeto Leia Mulheres. Iniciativa fundamental no cenário brasileiro e goiano que a UBE-GO festeja e reconhece. Vamos ler mulheres!

“O Pequeno Príncipe”, “As Viagens de Gulliver”, “Matilda”, “A Parte que Falta Encontra o Grande O”, “A Fantástica Fábrica de Chocolates”. Esses títulos são comumente chamados de obras infanto-juvenis. Mas são também grande literatura. Escrever para crianças e adolescente é uma arte para poucos. Ensinar a ler com profundidade não é diferente. Recebe o diploma de personalidade cultural a escritora e professora Maria de Fátima Gonçalves Lima, laureada em função de sua produção literária voltada para o público infanto-juvenil e também pelo trabalho na formação de professores de literatura no programa de pós-graduação em literatura da PUC-GO. Por esse trabalho de gente grande para gente pequena, a professora Maria de Fátima tem todo respeito e reconhecimento da UBE-GO.

Wilson Bueno: fundador da Livraria Palavrear | Foto: Jean Fernandes/Facebook

Literatura, café, música e conversa jogada fora é uma receita que não tem erro. O lugar onde esse coquetel é oferecido pode fazer toda a diferença. Recebe o diploma de personalidade cultural o procurador e agitador cultural Wilson Rocha Fernandes Assis, pelo apoio à cultura realizado por meio da Livraria Palavrear, um dos pontos mais efervescentes da cultura goiana.

Quem conta um conto aumenta um ponto? Alguém aqui é leitor crônico de crônicas? Você sabe o que define um conto? Tem certeza? Você conhece as características de uma crônica? Tem certeza? Sabe os limites entre conto e crônica? Qualquer dúvida pergunte para Ela, sim, ela mesma… Recebe o diploma de personalidade cultural a escritora e pesquisadora Ana Luiza Serra Ferreira, laureada pela formação de leitores por meio de suas coletâneas sobre contos e crônicas goianas. Dois livros que podem ser lidos para aprender, uma vez que encontramos neles lições técnicas valiosas, mas também para se elevar com a nossa mais fina literatura, uma vez que estão repletos de excelentes exemplos do que de melhor se produziu em termos de contos e crônicas em Goiás. Ana Luiza, militante incansável da cultura goiana, e patrimônio da UBE-GO, receba nosso respeito e reconhecimento.

Medalhas de honra ao mérito

Beethoven disse que “A música é o vínculo que une a vida do espírito à vida dos sentidos”. A musicista Consuelo Quireze Rosa, nossa grande dama que conhece os segredos dessa alquimia artística que une espiritualidade e sentidos pelas teclas do piano. Consuelo tocou em importantes salas de concerto, no Brasil e no mundo, tocou para o Nobel de literatura José Saramago, deu-nos a honra de receber a Medalha Música Belkiss Spenciére. Lembrando que a lendária dona Belkiss foi uma de suas mestras. Justiça poética.

Ingmar Bergman, que Woody Allen uma vez chamou de “o único gênio do cinema”, preferia o teatro. Nas palavras de Bergman, “o teatro é o começo, o fim, é tudo”. Recebe a Medalha Teatro Otávio Arantes, o ator, diretor e dramaturgo Hélio Froes. Esperemos que Hélio “quebre a perna” ao subir esses degraus. Mas não se assustem. Essa é uma conhecida expressão de boa sorte no meio das artes cênicas. Hélio Froes anda “quebrando” as pernas por essas paragens há tempos, desde a época do Castigando Falo, chegando a ficar Nu Escuro. Parabéns pelo excepcional trabalho, Froes.

Cada cinematografia tem seu Chaplin. Aquela figura que representa seu cinema popular. O nosso é o caipira Imbilino. Seu intérprete, o ator Hugo Caiapônia, é um verdadeiro fenômeno de popularidade no interior, e também na capital de Goiás, com seu humor simples, direto e ingênuo. Do jeito que o povo gosto. Muitos intelectuais de pulôver e cachimbo torcem o nariz? E daí? Hugo Batista da Luz, nosso Hugo Caiapônia, ou melhor nosso Imbilino, recebe a Medalha Cinema João Bennio. Luz, câmera, ação.

A escritora Elizabeth Brito entregará a Medalha Artes Plásticas Frei Confaloni.

Edgar Silveira Franco: ilustrador, quadrinista, artista performático | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

Ele está aqui, mas não é daqui. Ele é um lobo e é um homem. Criador de mundos ficcionais, que talvez sejam mais reais do que aquilo que chamamos de realidade. Recebe a Medalha Artes Plásticas Frei Confaloni, o ciberpajé Edgar Silveira Franco. Ilustrador, quadrinista, artista performático, vocalista da banda Posthuman Tantra, um verdadeiro multiartista. O artista que dá nome a medalha, frei Confaloni, é um dos mestres de nossa modernidade artística. Em suas mãos, Edgar Franco, a medalha chega à pós-modernidade. Ou melhor, a pós-humanidade.

A imprensa é chamada de o quarto poder. Por meio da atividade da imprensa temos mecanismos de mediação, compreensão e interpretação do mundo. Um jornalista sofisticado pode ocupar a posição de consciência crítica de uma sociedade, ou de seu anjo exterminador. Nosso próximo homenageado ocupa essa posição em Goiás. Permitam-me falar dele em termos pessoais. Vejo-o, com admiração, como uma amalgama de Paulo Francis, Gay Talese, H. L. Mencken, Perry White e J. J. Jameson. Euler de França Belém, editor do Jornal Opção, recebe a Medalha Comunicação Anatole Ramos.

Wesley Peres: escritor | Foto: Facebook

A produção cultural de um estado irradia de seus mais diversos municípios. Com Goiás não é diferente. Muita arte de grande qualidade é produzida fora de nossa pequena metrópole regional. Cultura popular, cultura pop e cultura erudita. O escritor Wesley Peres recebe a Medalha Interior Eli Brasiliense. Wesley, autor de obras reconhecidas como “Pequenas Mortes” e “Casa Entre Vertebras”, publicadas por grandes editoras brasileiras, mora no município de Catalão.

Martiniano José da Silva: escritor e historiador | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

Procurei uma definição para o conceito de folclore. Encontrei muitas. Nem todas concordantes. Talvez a que mais se aproxima de um consenso é essa: “Folclore é o conjunto de tradições e manifestações populares constituído por lendas, mitos, provérbios, danças e costumes que são passados de geração em geração. A palavra tem origem no inglês, em que “folklore” significa “sabedoria popular”. Espero que nosso próximo homenageado concorde. O escritor e pesquisador Martiniano José da Silva, autor de reconhecidas obras sobre o folclore goiano e a escravidão em Goiás, recebe e Medalha Folclore Regina Lacerda.

Troféus Tiokô 2019

“Amanheceu, peguei a viola, botei na sacola e fui viajar.” Esse poderia ser o mantra de nosso próximo homenageado. Ele viaja pelo Brasil e o mundo levando na sacola sua viola e o nome de seu Estado natal, Goiás. Ele faz a viola falar e, com isso, faz falarem de Goiás por todos os cantos. Seu talento é tão impressionante que chega a ser aberrante. Ele é o Adrian Leverkühn de Goiás. É caso de ser estudado pela Nasa. Mas eu tenho uma explicação lógica, racional e incontestável para sua habilidade musical. O homem só pode ter passado um filhote de cobra coral entre os dedos. É isso. Só pode ser isso. O instrumentista Marcus Biancardini recebe o Troféu Prêmio Especial Goiás, concedido a artistas que divulgam o nome de Goiás além Paranaíba.

O Troféu Destaque Cultural é reservado para o reconhecimento de instituições que colaboraram com o desenvolvimento das ações culturais do estado de Goiás. Esse ano a pessoa jurídica escolhida em votação pela diretoria da UBE-GO foi o Conselho de Cultura do Estado de Goiás. Sem seu apoio, muitas das ações desenvolvidas pela UBE-GO, e diversas outras entidades culturais e artistas individuais, ficariam inviabilizadas. A análise detida e técnica que fazem das centenas de projetos culturais enviados para concorrer em editais como o do Fundo de Cultura e da Lei Goyazes são a prova desse excelente trabalho. Por isso, o Conselho de Cultura do Estado de Goiás recebe o agradecimento e reconhecimento da UBE-GO, materializado no Troféu Tiokô. O poeta, agitador cultural, especialista em tecnologia e mídias sociais, editor da “Revista Bula”, Carlos Willian Leite, é o presidente do Conselho Estadual de Cultura. Em 2019 Carlos Willian comemora os 20 anos do recebimento de seu Tiokô como revelação literária. Até hoje é a mais jovem personalidade a receber essa láurea. Foi premiado aos 22 anos. Hoje Carlos Willian recebe o Tiokô na categoria Destaque Cultural representando a instituição que preside.

O próximo e último homenageado na noite de hoje é um gentleman à inglesa. Não por acaso, sua trajetória lembra alguns personagens de Charles Dickens. Nascido em Goiânia em 1955, cresceu como órfão em um abrigo de Anápolis, de onde a saiu em 1973 para iniciar sua formação universitária e, posteriormente, se tornar um bem-sucedido empreendedor na área de tecnologia da informação. Estreou na literatura em 1985, só voltando a publicar a partir de 2014, compondo uma obra consistente, coerente e sofisticada. Diria talvez até abençoada. O poeta Adalberto de Queiroz, o barqueiro da poesia, recebe o Troféu Tiokô Literatura.

Ademir Luiz é presidente da União Brasileira de Escritores de Goiás (UBE-GO).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.