The Blues’ Lady: Billie Holliday e seus cem anos

A cantora que embalou o blues e se consagrou como a “Diva do Jazz” completaria nesta terça-feira, 7, cem anos

Foto: Gilles Petard / Getty Images

Foto: Gilles Petard / Getty Images

“Lady sings the blues
She’s got ’em bad
She feels so sad
The world will know
She’s never gonna sing them no more
No more” — Billie Holiday

Yago Rodrigues Alvim

Nasceu Eleanora Fagan num dia 7 de abril. Era 1915, num gueto da Filadélfia. Nasceu filha de dois adolescentes. A mãe, Sarah Julia Fagan, conhecida como “Sadie”, tinha apenas 13 anos. Já o pai Clarence Holiday estava na casa dos 15, quando a abandonou ainda pequena. Mas ela carregou consigo o sobrenome. Era homenagem ao pai, que embalava guitarras. Só que isso demorou um tempo. Antes, passou por outras inúmeras desgraças.

Foi criada pela tia Eva Miller até os dez anos, quando sofreu uma tentativa de estupro e passou a viver em um reformatório. Quando dali saiu, perambulou por cidades com sua mãe até que se estabeleceram no Harlem. Ali, se prostituiu até que foi presa. Da retenção, começou a cantar profissionalmente. Era com o vizinho, um saxofonista. Dai, então, começou a lapidar “a voz de merda”, como dizia por seu pequeno alcance vocal. O jeito foi deixar suas emoções livres muito além do microfone. “O que sai é o que sinto. Odeio simplesmente cantar. Tenho que mudar o tom para adaptá-lo à minha forma”, dizia sobre seu estilo.

Fez sua carreira com singles até que na década de 1950 se dedicou aos álbuns. Construiu sua carreira em meio ao álcool e drogas e outras prisões. Passou muitas madrugadas em hospitais. Faleceu de cirrose em 1959, com apenas 44 anos. Deixou um disco pronto, cujas letras são de uma tristeza que adoece (e encanta). Billie Holiday deixou músicas e mais músicas, que ganham novas versões – como o álbum “Coming Forth by Day”, de Cassandra Wilson e José James, que será lançado este mês, em tributo a cantora. Ainda assim, são só canções, longes das embaladas na voz da diva do jazz, da diva do blue.

Escute “Strange Fruit”, música que conta a história do linchamento de dois negros e que condenava o racismo em um Estados Unidos, ainda segregado, de 1939.

Deixe um comentário