Stefanini: “Um artista não vende só um disco, mas o conceito estético que criou detrás dele”

Com apenas 20 anos, o cantor goiano Stefanini lançou, recentemente, o EP “ONDE”. Ele conta um pouco sobre seu trabalho, que vai muito além de suas músicas

“E se eu fosse imune ao despreparo do meu coração?”

Stefanini, trecho da canção “Canto de Fuga”

Yago Rodrigues Alvim

O jovem cantor goiano Stefanini já contou ao Jornal Opção que com apenas três anos já nascia na música. Escutava fitas gravadas pela mãe, cantarolava, enrolado, de Laura Pausini a Kurt Cobain. Hoje, já com seus 20 anos, lança seu próprio som — que traz as diversas sonoridades que o compuseram e não só enquanto cantor, já vale dizer. Com primor visual, o artista disponibiliza também ao público seu primeiro trabalho audiovisual, o videoclipe da faixa “Eu Sei”, do recém-lançado EP “ONDE”. É sobre isso que ele conta nas próximas linhas. Bora descobrir um pouco mais de Stefanini?

“ONDE” saiu na segunda-feira, 30 de novembro, nas maiores plataformas de streaming, a exemplo iTunes e Spotify. Como foi lançar essa prévia do seu trabalho, o qual também já apresentou ao público pelo projeto Palco Interativa, no Bolshoi, em Goiânia?
É um sentimento de missão cumprida. O “ONDE” vem, desde 2012, sendo construído de forma minuciosa, tanto em imagem quanto em som por mim, Gorky (Bonde do Rolê), Pedrowl, Luís Araújo, Thaynara Mesquita e Rodolfo Brasil. Depois de passar por várias mudanças nesses dois âmbitos, conseguimos encontrar algo que nos agradasse e que fosse original.  O EP é um reflexo das diversas mudanças emocionais e físicas que eu passei entre os anos de 2012 e 2014. É um “minidocumentário” deste período.

E como tem sido a recepção?
A recepção tem sido linda. O Soundcloud totaliza mais de 15 mil plays e vejo vários compartilhamentos nas redes sociais. Acho que as pessoas se identificaram com a simplicidade das letras e as emoções por trás de cada faixa. Por enquanto, tenho experienciado só coisas boas.

Junto do EP, você também lançou o videoclipe do single “Eu Sei”. De onde surgiu a ideia do clipe e como foi gravá-lo e até mesmo quanto à edição, uma das coisas marcantes do vídeo?
O videoclipe de “Eu Sei” foi desafiador porque era uma preocupação minha expor todo o sentimento da faixa em um roteiro simples, já que os seus versos são bem fáceis de entender. Gravamos uma primeira versão do clipe seguindo essa linha, mas o resultado final acabou literal demais e não me agradou. Então, o fotógrafo Rodolfo Brasil sentou comigo e me mostrou uma alternativa mais metafórica que mais me agradou visualmente. A partir desta ideia, começamos a construir a versão final do vídeo juntamente com outros dois amigos designers, o Luís Araújo e a Thaynara Mesquita.

Quanto ao encarte, à arte do EP, você derrete no disco? Como é isso e, até mesmo, existe algo que quis passar pela arte?
O encarte foi todo construído pelo Luís, utilizando as fotografias do Rodolfo. O objetivo era produzir algo que fizesse coesão com a sonoridade original do EP e o meu comportamento como artista. É para ser uma verdadeira experiência conjunta entre imagem e som. Não são fotos que as pessoas vão apenas folhear e esquecer, elas têm aqueles elementos justamente para o público perder alguns minutos olhando e encontrando a familiaridade com as faixas.

Ela mostra enquanto um artista conceitual. Você acredita que isso está crescendo no mundo da música ou é algo que sempre existiu?
Sempre foi uma preocupação dos artistas unir de forma coerente a imagem e o som. São coisas bem difíceis de se separar nesta indústria. Você não vende só um disco, mas o conceito estético que criou detrás dele e que faz as pessoas se identificarem, quererem aquilo ou até mesmo se lembrarem de momentos passados, por exemplo. Essa união aguça os sentidos. Por isso, a música possui tanto poder de influência sobre a sociedade.

Por fim, quais são os próximos passos?
Os próximos passos são lançar um disco no ano de 2016 com algumas parcerias incríveis, fazer shows mais elaborados visualmente e continuar neste caminho fazendo o que eu sempre amei e me moveu: música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.