Sobre pobreza e modernidade

Livro de Milton Santos, publicado há 40 anos, mantém-se atual pela contundência com que o autor ataca o problema da miséria, sobretudo, nos aglomerados urbanos, onde a globalização é mais eficaz

Segundo Milton Santos (1926-2001), a pobreza é um mal que não pode ser estudado pelas mesmas ferramentas que se estuda a cidade revestida da economia moderna | Foto: Reprodução

Nenhum estudioso da pobreza urbana soube ainda como enquadrar o problema e apontar soluções satisfatórias. Tudo que se faz é juntar um ou outro ponto do intricado mar, num amontoado de palavrório sem que nada se resolva.

Olhando para o tema, esta afirmação parece ter sido formulada agora. Mas não. Foi Milton Santos que, em 1978, procurou demonstrar em seu livro “Pobreza Urbana” que a pobreza apresenta uma espécie de nó górdio, incapaz de ser problematizado com clareza.

Milton Santos foi um professor e intelectual brasileiro de reconhecimento internacional, falecido em 2001. Ele é autor de livros importantes como “A Natureza do Espaço”, “Técnica, Espaço, Tempo: Globa­li­za­ção e Meio Técnico-Científico Infor­macional” e “Por Uma Outra Globalização”.

Seu pequeno tratado de 136 páginas sobre uma das questões que sempre afligiu as sociedades, ontem e hoje, ganhou uma nova edição em 2009, com reimpressão em 2013 (Edusp). A demanda demonstra quão valiosa é sua leitura. Segundo Santos, a pobreza é um mal que não pode ser estudado pelas mesmas ferramentas que se estuda a cidade revestida da economia moderna, com teorias de urbanização e emprego pleno.

O universo da pobreza está alijado dessas prerrogativas. Há que se mergulhar nele para vivenciá-lo e retirar dali os nós aos quais a pobreza está atada. Para o autor, o fenômeno da pobreza urbana está ligado à própria modernização, “pela forma que assume em pleno período tecnológico, que é responsável pelo desenvolvimento do subemprego e da marginalidade.”

Além disso, o autor afirma que são preponderantes o fator histórico e a maneira como é pensada e cultivada a globalização, que dá aos gestores do capital ainda mais poder de exploração da miséria do mundo.

Hoje em dia, ninguém estuda a realidade brasileira, em sua face geoeconômica e política, sem antes se inteirar do pensamento de Milton Santos.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.