Richard Gere, Donald Trump e o jantar indigesto servido no Festival de Berlim

Único filme americano na competição internacional do Festival de Berlim, “O Jantar” levanta discussões sobre racismo, pobreza e falta de políticas públicas

Filme de Oren Moverman mostra discussões durante um jantar de família, que foi usado por atores e diretor para traçar um paralelo com posições polêmicas do novo presidente dos EUA

Rui Martins
Especial para o Jornal Opção, de Berlim

O filme “O Jantar” (The Dinner), com Richard Gere e Laura Linney nos papéis principais, embora servido num restaurante de alta classe com o maitre apresentando cada prato, acaba sendo indigesto aos convivas. Este, que é o único filme americano na competição internacional do Festival de Berlim, tem o seguinte enredo:

Logo depois de servida a entrada e enchidos os copos com bom vinho, dois irmãos com suas esposas vão colocando sobre a mesa um recente problema criado por seus filhos, dois adolescentes, que, a exemplo do ocorrido já algumas vezes em Brasília e em Porto Alegre, talvez também em outras cidades brasileiras, atearam fogo e provocaram a morte de uma indigente que, enrolada num cobertor, tentava dormir numa cabine destinada a um aparelho para retirada de dinheiro.

O gesto deliberado provocou gargalhadas nos dois garotos da alta classe norte-americana — o pai de um deles é político e deve se apresentar como candidato a governador —, que aproveitaram para filmar com o celular a luta da mulher contra as chamas.

Assim, enquanto o jantar avançava, a mãe de um dos rapazes defendia seu filho, colocando a culpa na mulher sem teto por ter assustado os garotões. O mesmo fazia a outra mulher, que era a segunda esposa do futuro candidato a governador (Richard Gere) e, embora não fosse a mãe, defendia o rapaz com ardor — ela também era a madrasta de uma menina e de um filho adotivo negro adolescente, deixados pela primeira esposa que abandonara a família para fazer meditação na Índia.

Bem antes da sobremesa, sabe-se que o filho adotivo, que não participara do crime, conseguira colocar na internet o vídeo do irmão e do primo criminosos, tendo rejeitado uma oferta em dinheiro feita pelo primo para ficar quieto.

Enfim, depois do digestivo, o irmão do candidato a governador, que é psicótico, tenta quebrar a cabeça do sobrinho adotivo negro, que tinha colocado o vídeo do crime na internet. Por fim, a esposa do personagem de Richard Gere o ameaça com o divórcio, caso ele denuncie os culpados, como pretende, numa entrevista com a imprensa.

E o enredo do filme serviu de comparação durante a entrevista coletiva do diretor Oren Moverman e do ator Richard Gere, conhecido por posições claras em defesa dos direitos humanos e que esteve, na quinta-feira, 9, com a chanceler alemã Angela Merkel. Eles afirmaram que o egoismo e a defesa dos próprios interesses apresentados pelo filme são paralelos à ideologia pregada pelo novo presidente americano Donald Trump.

Richard Gere foi mais longe e ressaltou ter havido nos EUA um aumento de atos violentos e agressões racistas desde a campanha eleitoral de Trump, dizendo que os dirigentes que provocam o medo nas pessoas são responsáveis por incitar crimes terríveis.

Rui Martins está em Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.