“Quarenta Dias”, romance vencedor da 57ª edição do Jabuti

Além de Maria Valéria Rezende, autora do título, Carol Rodrigues e Alexandre Guarnieri são alguns dos premiados

Balada Literária 2012 Maria Valéria Rezende Local: Livraria da Villa Data: 30/11/2012 Foto: Mario Miranda Filho/Agência Foto

Freira, Maria Rezende lançou, aos 72 anos, o romance vencedor que a fez viver pelas ruas de Porto Alegre

“Aquela figura feita de
partes montadas
não sorri para mim
mas também não pergunta nada
mas também não responde nada”
Luci Collin

Yago Rodrigues Alvim

Capa do livro "Quarenta Dias"

Capa do livro “Quarenta Dias”

“Entrei neste a­par­tamento — ainda não consigo dizer ‘em casa’, tento, mas não há jeito — agora há pouco, exausta, carregando um furdunço no peito, sem saber onde despejar essa balbúrdia de imagens, impressões, sentimentos acumulados por quarenta dias, dei com o olho na Barbie e soube logo em quem vou descarregar tudo isso. Por sorte o caderno estava ali mesmo, perto da porta de entrada, na mesinha do telefone onde eu deixei desde que desfiz as malas, sem ter o que fazer com ele”, trecho que dá início ao primeiro parágrafo do romance “Quarenta Dias”, de Maria Valéria Rezende, o qual, ao fim, sequer me pediu que lesse o segundo para que soltasse expressões de surpresa e admiração, seguidas do pensamento “preciso ler este livro”.

Freira desde os 24 anos de idade, não por obrigação ou chamado divino, mas pela pergunta “quer se casar ou virar freira?”, Maria Rezende lançou, aos 72 anos, o romance que a fez viver pelas ruas de Porto Alegre, a fim de confirmar sua história: “Quarenta Dias”. É que o livro conta a história de Alice, uma professora aposentada que deixa sua vida pacata em João Pessoa e se muda para Porto Alegre à procura de Cícero Araújo, filho de uma conhecida.

“Guiavam-me o amanhecer e o entardecer, a chuva, o frio, o sol, a fome que se resolvia com qualquer coisa, não mais de dez reais por dia (…) Onde andaria o filho de Socorro?, a que bando estranho se havia juntado, em que praça ficara esquecido?”, narra Alice. Já Maria, de seus 15 dias em busca da veracidade de sua história, das noites abrigada em rodoviárias, aeroporto, hospitais, narra que percebeu que metade do mundo é feita de gente sumida e a outra metade é de gente que está procurando quem sumiu.

A história da santista Maria, que desde 1986 vive em João Pessoa, rendeu-lhe o prêmio Jabuti de melhor romance. O resultado da 57ª edição do Jabuti foi anunciado na quinta-feira, 19. “Caderno de Um Ausente”, de João Anzanello Carrascoza, e “Os Piores Dias de Minha Vida Foram Todos”, de Evandro Afonso Ferreira, conquistaram o segundo e terceiro lugares, respectivamente, na categoria.

A obra de Carol Rodrigues também foi premiada na categoria “Contos e Crônicas” pela Biblioteca Nacional

A obra de Carol Rodrigues também foi premiada na categoria Contos e Crônicas pela Biblioteca Nacional

Contos e Crônicas

Capa Sem Vista

Capa do livro “Sem Vista para O Mar”

“Olhou em volta ninguém me olha fechou o olho e fez calor pe­lo queixo no ombro ruivo do rui­vo. Foram doze músicas iguais”, es­creve Carol Rodrigues, 30, no conto “Onde Acaba o Mapa” e a­bre assim o livro “Sem Vista para O Mar”, que já nascera bem quisto. A obra, antes de levar o prêmio Jabuti na categoria Contos e Crônicas, arrebatou o prêmio da Biblioteca Nacional de 2015, na mesma categoria. A obra segue assim por 124 páginas, atropelando vírgulas e pontos e rememorando, muitas vezes, poesia. Fora gestado em um curso de escrita, ministrado por ninguém menos que Marcelino Freire. É tudo que produziu durante o curso.

Graduada em cinema, a carioca radicada em Sampa diz que, em seu primeiro livro, estava aprendendo a contar uma história com começo, meio e fim. Mas o gosto por sons já estava ali. Pesquisava milhares de palavras “lindas de várias origens”, com as quais imaginava histórias –– muitas arquivadas, no limbo de pastas e mais pastas do computador, as tais novas “gavetas”. Seu segundo livro, “Os Maus Modos”, do qual diz ser uma obra menos poética, mas com a linguagem ainda “estranha”, deve sair no primeiro semestre de 2016.

Em segundo lugar, foi premiado o escritor Flavio Cafiero, com o livro “Dez Centímetros Acima do Chão”, e Conceição Evaristo, com a obra “Olhos D’água”.

Poesia

Guarnieri

Desde 1993, o poeta carioca Alexandre Guarnieri participa de eventos de poesia falada em sua cidade

O vencedor na categoria Poesia, ao lado de Marco Lucchesi, com a obra “Clio”, e Manoel Herzog, “A Comedia de Alissia Bloom”, também premiados em segundo e terceiro lugares, respectivamente, foi o carioca Alexandre Guarnieri com o livro “Corpo de Festim”. Graduado em His­tória da Arte e mestre em Tec­nologia da Imagem, Guarnie­ri, 41 anos, também exer­ce o ofício de editor da revista eletrônica Mallarmar­gens. Desde 1993, participa de eventos de poesia falada em sua cidade natal.

Capa CorpoNas palavras do escritor ítalo-brasileiro Furio Lonza, “Guarni­eri inaugura um novo gênero literário: seu poema ‘voyeur biológico’ devassa os mais íntimos processos de gênese. (…) Com seus versos elegantemente bandalhos, ele conta a história da humanidade”. O também escritor Mariel Reis disse: “Incerto quanto ao des­tino do espírito, negocia com o visível o passaporte de sua permanência sobre a Terra: o poema”.

sangue | suor / e celulose (i)

a carne, que cada corte desonra,
cintila nesse mal que tarde a sarar
a pressão de toda ofensiva tardia,
qualquer soco, avaria / aí cada agulha
se calcula ou se anula / balbúrdia,
barulho, algazarra que cada palavra
declara, tingindo toda ou alguma
área da página mais alva / à nudez
do papel, a rápida mancha a vio
lentá-la / da pálida celulose, violada,
o que sangra é tinta tipográfica.

O vencedor de cada categoria recebe o valor de R$ 3,5 mil e os autores do Livro do Ano de Ficção e de Não Ficção, que serão anunciados na premiação, que será realizada no dia 3 de dezembro, no Auditório do Ibirapuera, levam o prêmio de R$ 35 mil. Diversos nomes vencedores foram anunciados em outras categorias. São elas: Biografia, Reportagem e Documentário, Comu­ni­ca­ção, Didático e Paradidático, Ilustra­ção, Ilustração de Livro Infantil ou Juvenil, Infantil, Infantil Digi­tal, Juvenil, Adaptação, Tradução, Teoria/Crítica Literária, Dicio­nários e Gramáticas, Gastro­nomia, Projeto Gráfico, Capa e em Psicologia, Psicanálise e Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.