Poesia contemporânea é foco de oficina de escrita em Goiânia

Poeta reconhecido desde a década de 1970, o escritor e jornalista Claufe Rodrigues é o segundo escritor a debater literatura na série de oficinas promovida pela UBE-GO

claufe rodrigues

Claufe Rodrigues: “Movimentos de apresentação pública estão acontecendo nas cidades, embora ainda não sejam reconhecidos”

Acontece no sábado, 7 de maio, a oficina “A poesia brasileira contemporânea e suas aplicações”, ministrada pelo escritor Claufe Rodrigues, do Rio de Janeiro. O encontro faz parte da série de oficinas de escrita criativa promovida pela União Brasileira dos Escritores (UBE) — Seção Goiás. Esta será a segunda das 11 oficinas que irão acontecer até o dia 16 de julho.

A primeira oficina foi realizada no dia 30 de abril pelo escritor paulista Marcelo Mirisola, que falou sobre insubmissão, atrito, confronto e literatura de deslocamento, assim como tratou das dificuldades do escritor que tem algo a dizer em detrimento dos interesses do mercado e de suas várias áreas.

Um dos objetivos dessa série de oficinas gratuitas promovidas pela UBE-GO é oferecer às pessoas interessadas em literatura, profissionais ou não, mecanismos que possibilitem adquirir ferramentas de boa escrita. É ao encontro dessa meta que Claufe Rodrigues chega a Goiânia para falar de poesia contemporânea.

O que é isso? Claufe explica: “Atualmente, tudo pode ser poesia, então, é preciso fazer um recorte. Trabalho com a poesia das últimas três décadas e que está consolidada e não é de internet. Essa poesia tem início com a poesia marginal, que surge rompendo com a tradição. Depois, a poesia acaba fazendo um retorno à tradição, mas agora com traços maiores de oralidade”. Em linhas gerais, essa é a poesia contemporânea.

Claufe também falará sobre as aplicações dessa poesia, sobretudo nas escolas e nos saraus que tomaram as cidades — Goiânia é uma delas. “Movimentos de apresentação pública estão acontecendo nas cidades, embora ainda não sejam reconhecidos. Temos muitos saraus, mas as pessoas não enxergam esse movimento e isso é uma falha. Então, precisamos falar sobre isso”, relata o escritor.

Para ele, essa falha passa pela falta de divulgação de quem promove os movimentos, mas também pelo não interesse dos veículos de comunicação. “Os recitais da década de 1970 agora são os chamados saraus. Essas apresentações públicas atraem os autores, mas não a imprensa. Hoje, os jornalistas pouco saem da redações para ver o que acontece na cidade; não conhecem os movimentos culturais”, argumenta.

As inscrições tanto para a oficina de Claufe quanto para as outras são gratuitas e as vagas, limitadas. Os interessados devem se inscrever exclusivamente pelo site da UBE-GO. Todas as oficinas serão realizadas na sede da UBE-GO, localizada na Rua 21 nº 262, no Centro, ao lado do Colégio Lyceu de Goiânia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.