Peregrina, um poema de Rosy Cardoso

A artista plástica vem provando saber moldar bem as palavras em versos, e o que era antes uma promessa de poeta concretiza-se; dá pra ver o exercício formal de sua arte, sua força expressiva

ABRE: Retrato da poeta e artista plástica Rosy Cardoso: deusa em tudo

Sônia Elizabeth
Especial para o Jornal Opção

Rosy Cardoso revela-se-nos aqui, nesse mágico poema, em que pese seu lado forte de artista plástica, uma promessa concretizada de poesia. Tenho acompanhado os versos de Rosy, publicados no Facebook e em outras mídias, e sinto a progressão magnífica, o domínio que vai exercendo cada vez mais sobre a arte de decifrar palavras, mitigá-las, sangrá-las, a arte de desenvolver bons poemas.

“Peregrina”, o poema abaixo, tem riqueza verbal, estilo, sonância, cadência. Uma boa divisão de estrofes, uma doma de palavras, um corte de arestas que reflete uma poética admirável. Uma mulher que se assume universal, de todas as cores, de todos os sons, de todas as origens. Uma mulher poeta que enxerga além, que se sabe de todas as etnias, que entende que todas as raças são uma só em prol do verdadeiramente humano.

Apreciação

“Um alarido inquieto, sem pausa,
desperta a África de minhas entranhas…”

Eis aí o grito que se faz maior, onde as diferenças não existem, onde a performance é puramente o sentido da universalidade, da união de pessoas, do ser…enfim.
“…descalços pés cruzam a dança
para ninar as origens…”

Rosy, num misto de liberdade e simplicidade, cultiva aí a admiração pela dança africana, consolidada no plural de todas as raças, como se quisesse dissociar as pessoas do ranço do separatismo, dos guetos que tanto intimidam. E o faz com graça e fluência, com doçura e dinamismo.

“…Sombras do sol abraçam nuvens
e insistem dourar os lentos passos…”

Aí, Rosy propõe justamente o irmanamento, o imã de união entre todos, para mostrar que brancos, negros, somos os mesmos, explorados pelo sistema bruto da vida, mas emblemados de vida pela força maior do sol e das nuvens que não reconhecem dissensões e cumprem o papel de cada qual na conjunção dos mundos.

Não se trata de poema engajado, esse. Trata-se de arte, de beleza, de dignidade, de talento. Saúdo e recebo Rosy Cardoso no mundo de nossas letras. Inaugure seu espaço, deusa! Merecemos seu talento.

Deixe um comentário