País que mais abrigou refugiados sírios, Alemanha sedia um festival antirracista e anticolonialista

O 67º Festival Internacional de Cinema de Berlim começa mostrando ser um evento que reúne discursos favoráveis à política alemã pelos refugiados

Rui Martins
Especial para o Jornal Opção, de Berlim

O 67º Festival Internacional de Cinema de Berlim começa nesta quinta-feira, 9, com o filme francês “Django”, de Etienne Comar. O festival deste ano terá um recorde de filmes brasileiros em exibição, sendo um goiano, além de um na competição internacional de longas-metragens (“Joaquim”, de Marcelo Gomes), e outro na competição internacional de curtas (“Estás vendo coisas”, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca).

Este Festival é francamente engajado, por decisão de seu diretor Dieter Kosslick, em favor da política alemã pelos refugiados. Talvez por isso, os filmes das diversas mostras filmes sejam claramente antirracistas e anticolonialistas.

É o caso do filme brasileiro “Joaquim”, que mostra a figura de Tiradentes, o primeiro rebelde contra os portugueses pela independência; do filme “Vazante”, de Daniela Thomas, que revive o tempo da escravidão no Brasil, em Minas Gerais, na exploração das minas de pedras preciosas; de “Django”, o filme da abertura, que mostra o cigano perseguido pela SS nazista; e do filme do haitiano Raoul Peck, “Não sou o teu negro”, inspirado na vida de James Baldwin, um libelo contra o racismo nos Estados Unidos.

T2 Transpotting

Será que Did Renton criou uma família e comprou uma lavadora de carros como terminou o primeiro filme de Danny Boyle? O festival de Berlim dará a resposta logo no segundo dia do Festival com o retorno de Ewan McGregor.

A expectativa é grande e a crítica estará mobilizada para reservar seu lugar na primeira exibição e será ainda mais difícil achar um lugar na grande sala onde Danny Boyle e Ewan McGregor falarão com a imprensa.

Aki Kaurismäki e Volker Schlöndorff

Outro retorno importante será o do finlandês Aki Kaurismäki, na terça-feira, 13, com seu novo filme “O outro lado da esperança”, que é um conto talvez utópico sobre a amizade entre um refugiado sírio que, depois de viver rejeitado nas ruas de Helsinki, na Finlândia, é descoberto pelo dono de um restaurante, que lhe dá cama, comida e trabalho.

O cineasta alemão Volker Schlöndorff também está de volta a Berlim, mas sem um tema social, embora continue criando dentro do universo do seu amigo suíço, já falecido, Max Frisch, que o inspirou no filme “Homo Faber”. “De volta a Montaulk” é o novo filme de Schlöndorff na competição internacional e que é focado nos problemas amorosos de um escritor com a inspiradora da personagem do seu novo livro.

Haverá ainda um filme francês de Martin Provost, “Parteira”, com a veterana atriz Catherine Deneuve. O filme da atriz portuguesa Teresa Villaverde, convertida em cineasta com seu filme “Colo”, mostra, também na competição internacional, uma família sofrendo as consequências da crise econômica.

O presidente do júri da competição internacional é o cineasta holandês Paul Verhoeven, que com outros seis especialistas da Alemanha, Tunísia, México, Islândia, Estados Unidos e China distribuirão os Ursos de Ouro e de Prata.

Rui Martins é convidado do Festival Internacional de Cinema de Berlim

Deixe um comentário