Os melhores lugares para curtir Goiânia

No dia do aniversário de Goiânia, nada melhor que lembrar seus lugares mais gostosos para passear com quem se gosta. Tem de café a pub, de bar a balada

Este slideshow necessita de JavaScript.

Yago Rodrigues Alvim

Sem vista pro mar, sem cais ou porto, montanhas ou florestas a desvendar, a capital goiana tem ainda assim muito a se desfrutar. Cidade de barzinhos, shoppings e parques, Goiânia faz de seus cantos um cenário de prosa bebericada em cerveja, reunião com cafés, encontros românticos no escuro do teatro, espairecimentos de luzes baladeiras.

O sertanejo, aqui, cede espaço a estilos mais descolados do naturalizado. São cenas undergrounds, um tanto já conhecidas, e ainda assim abertas a quem quiser curtir do melhor que a cidade do pequi tem a oferecer, sem gosto algum do fruto.

rock

A mais recente casa de artes, com seus músicos, DJs, chefs e artistas plásticos, o pub Rock (foto) teve início na véspera do dia das crianças e, de lá pra cá, já traz uma agenda badalada com bandas e novas propostas. E, também recente, o Diablo Bar abre a ala dos bares undergrounds. O rock por lá está nas músicas e um cardápio variado de cervejas, com chopps e até double, faz a alegria da galera.

Também com uma variedade ímpar de quem aprecia o melhor da cerveja, o bar já não tão recente assim Mönch Bier traz sabores de todo o mundo. Ele conta ainda com pratos, às vezes DJs e promoções. Seguindo a batida, só que num vibe mais zem (ou quase), o Shiva Alt Bar (foto de destaque) é, sem dúvida alguma, recanto de quem curte eventos marotos de música com os amigos, além das delícias já citadas (cervejas, drinks e pratos). Por lá, já rolou flash tattoo e shows (como o do Carne Doce).

gloria

Foto: Vitor Marques

Já há mais tempo na cidade, o Glória (foto) faz a alegria de quem curte uma mesa de (um bom) boteco para aproveitar o fim de tarde e varar da noite. Por lá, tem retratos muitos e, acontece em tempos de férias, um rolê organizado em parceria com o El Club, o happy hour Palafita. Também um tanto já consagrado, o Conversa de Boteco é quase que a segunda casa de muitos goianos, ou pelo menos o quintal, onde muitos se encontram aos finais de semana.

retro

O Retrô Food & Drinks é um tanto mais colorido, todo no estilo, fica bem ali imbricado na Casulo Moda Coletiva. O retrô sai do nome, brinca nas paredes e nos pratos. Podia a Coca-Cola voltar com os engradados da década de 1960. Bem ao lado, tem um dos cafés mais amáveis da cidade, o Café Cariño.

E, não muito longe, a poucas quadras do Retrô, encontra-se ainda a Vila Container, com quiosques da cerveja goiana Colombina, do restaurante Pitanga e P di Pizza e ótimos picolés; e também por ali fica o Moony (foto), que segue a pegada colorida, reunindo pratos, drinks e muito estilo.

Sabe aquele lugar simples e gostoso pra levar alguém que se gosta? Pois bem, listam-se alguns: o Evoé (foto de destaque), com seus cafés e pratos embebidos pelo farfalhar das folhas de árvores e livros; o La Bottega dell’Arte, que une num aconchego de lugar um restaurante italiano, vegano e vegetariano, e ainda um estúdio de lindas tatuagens.

matuto
Alguns restaurantes e bares seguem esta pegada um tanto romântica, à meia luz. Ficam em diversos cantos da cidade. No Universitário, tem o Matuto (foto) que tem um queijo na chapa com mel de lamber os dedos; no Setor Sul, o BelgianDash, com um ótimo cardápio de cervejas especiais, além de uma linda vista. Por aquelas ruas, tem ainda o Antigo Armazém com seus sanduiches de Chico Buarque, Caetano, Bethânia e outras delícias pra se devorar.

edelweissJá no Setor Oeste, localiza-se o Edelweiss Café & Bar (foto) com pratos caprichados, vinhos e cervejas e, vez e outra, apresentações artísticas. Um tanto mais familiar, o Natur Bier oferece salsichões e vinhos artesanais – nem precisa dizer muito. Ele fica no Jardim América, onde também se encontra o Vai Tomá no Kuka, bar de encontro de roqueiros da goiana rock city.
Também ponto de encontro de roqueiros, o Don Guina já foi considerado o pior bar da cidade, mas não é nada disso. Pode ir sim, sem medo (e aproveita para se deliciar com uma pamonha, ao lado).

pitangaVale lembrar ainda da Hops, uma cervejaria descolada no meio da cidade, do pub Mobie Dick, que é palco de covers e tributos, do Tabu que, ainda que um tanto mais elitizado, conta com apresentações de rappers e outras atrações, e da delícia que é o Pitanga (foto), um restaurante próximo ao Parque Flamboyant.

el-club
Na lista — não tão lista assim —, vale lembrar ainda as famosas baladas goianas. O El Club (foto) é uma das melhores e mais coloridas baladas que se tem por aqui. São drinks, hits pops, hip hop, festa dos anos 1990, 2000 e por aí vai (ou volta, no caso). O Metropolis segue, um tanto mais underground, com a mesma alegria. Tem ainda a Roxy que, as quartas, faz a festa com seu karaokê. Anote também a Music, com suas discotecagens e drinks, e o The Pub que tem, as quintas, a já tradicional Festa Bapho. Pela cidade, outros pubs ainda varam a noite, como o da Diablo, o Bolshoi e o S (antigo Soul Pub).

Daria para seguir, continuar com cantos e mais cantos da cidade. Cinemas, como o Cine Cultura; teatros, como o do Centro Cultural da UFG, o Teatro Goiânia e o Goiânia Ouro; projetos, como o Cinema na Calçada; festivais de dança, teatro, música; e muitas outras preciosidades da cidade. Muitas que ficam ao desalento, vazias e não tão valorizadas. E, ainda assim, são nestes muitos e muitos lugares que os goianos fazem cidade um lugar melhor e múltiplo, diverso; são tantos e tantas que nem cabem aqui, nestas duas páginas de matéria. No mais, vale aproveitar e procurar sempre o que as ruas guardam para se viver.

Deixe um comentário