Nanocontos na pandemia

“Deixou a máscara em casa e foi pra farra. Voltou tarde da noite em má companhia”

Geraldo Lima

— Sem máscara é mais caro, ela disse.

****   ****

Apaixonou-se pela moça de máscara vermelha.

****   ****

Desceu se estrebuchando pelo cano da pia em meio à espuma do sabão.

****  ****

Deixou a máscara em casa e foi pra farra. Voltou tarde da noite em má companhia.

Pintura de Igor Morski

****  ****

Não vejo outra saída, estou em vias de cometer uma live.

****  ****

A ida ao banco lhe custou muito caro.

****  ****

A Terra, no dia em que a humanidade foi extinta:

— Já vai tarde.

****  ****

Minha vida por uma live, suplicou no mais profundo isolamento.

****  ****

Há meses, só quando dorme escapa do pesadelo.

****  ****

Nem vírus nem olhar racista de vigilante espreitando-o no interior da agência: baixou, enfim, o aplicativo do banco.

Geraldo Lima é escritor, dramaturgo e roteirista. É colaborador do Jornal Opção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.