Morre Ana Maria, esposa do escritor José Mendonça Teles

O corpo está sendo velado no Cemitério Jardim das Palmeiras e o sepultamento será às 17 horas

ana-maria-foto-flavio-isaac

José Mendonça e Ana Maria Teles, em homenagem no ano passado | Foto: Flávio Isaac

Iuri Godinho
Especial para o Jornal Opção

3:32 da manhã e a amiga da vida inteira Alessandra Teles deixou três palavras no meu zap: “minha mãezinha faleceu”. Ana Maria, uma das pessoas mais importantes para a cultura goiana nos últimos 50 anos, o esteio silencioso de José Mendonça Teles, já não estava entre nós.

Foi Ana Maria quem segurou todas as barras para que seu marido, José Mendonça Teles, se dedicasse integralmente e de graça à cultura. Ela quem topou dar sua casa histórica na Rua 24 para a fundação que leva o nome do Zé. Ela o esperava nas madrugadas após as intermináveis viagens que fazia como secretário municipal da Cultura ou presidente de instituições culturais.

Nunca vi Ana Maria reclamar das santas doideiras que o Zé aprontava na sua abnegação pela cultura em um Estado periférico, de um país periférico pouquíssimo afeito ao saber. Pelo contrário, com seu olhar manso e silencioso, um meio sorriso nos lábios, ela o apoiava. Até como forma de incentivá-lo, brincava dizendo: “tudo que em Goiás nunca dá dinheiro, o Zé Mendonça faz”.

Ana e o Zé, suas duas filhas e depois as netas, as conheço desde sempre. Na adolescência já sentia a presença forte de Ana Maria, aquela que controlava e comandava a todos apenas com a autoridade do olhar, sem falar muito. Mas acima de tudo, dava espaço para que a família fosse o que quisesse. Alessandra Teles virou artista plástica, viveu as aventuras que quis pois sabia que sempre podia voltar para as asas acolhedoras da mãe.

Quando José Mendonça piorou do Parkinson, ela novamente o apoiou quando decidiu realizar uma operação de risco para minorar os efeitos da doença. E de anjo da guarda do marido só não subiu de posto porque não existe cargo mais alto do que o de anjo que se dedica ao próximo. Cuidou do Zé até o último dia.

No final de semana, Ana Maria baqueou. Enfraqueceu. Estava com anemia e pneumonia. Pelo Facebook, a filha Alessandra pediu sangue para a mãe. Um batalhão acorreu para ajudá-la.

Quem dera a gente tivesse sobre a vida o doce e acolhedor controle que Ana tinha sobre a família. Mas a gente não tem e Ana Maria se foi nessa madrugada. Madrugada do apóstolo São João. O primo de Jesus, o cara que batizou o filho de Deus.

Ana se foi numa bela data. Dia de festa. À sua maneira, foi também um apóstolo do bem para a família e, por consequência e sem nunca cobrar por isso, para a cultura goiana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.