Goiano criador do Greengo Dictionary ganhou Manhattan com humor nas redes sociais

O Newspaper The Option entrevistou Matheus Diniz, criador do perfil que conquistou um milhão de seguidores traduzindo expressões brasileiras para o inglês literalmente

A criação de Matheus Diniz foi à Times Square, Manhattan | Foto: Cortesia / Acervo Pessoal

Em novembro de 2018, o designer gráfico Matheus Diniz se preparava para uma prova de inglês, requisito para tirar um certificado de proficiência. Com o idioma na cabeça, lhe ocorreu fazer uma brincadeira em seu Twitter. Ele publicou em seu perfil pessoal uma tradução literal da expressão “A jiripoca vai piar” ou “Tirar o cavalinho da chuva” (hoje, nem ele se lembra qual foi sua primeira publicação): “the jiripoca is going to pewpew”, or maybe, “take your little horse out of the rain”.

Em pouco tempo, a postagem viralizou, atingindo centenas de milhares de compartilhamentos. Matheus Diniz, que havia concluído uma pós-graduação em Marketing Digital e queria aplicar o que aprendera na prática, resolveu montar o perfil Greengo Dictionary como uma experiência. Criou uma identidade visual e um padrão para as publicações que imitam verbetes de dicionário inglês-português. 

Por vezes, as expressões se tornam nonsense no inglês ao pé da letra – “give your jumps” para “dá seus pulos”; ou resultam em neologismos, como “fridayed” para “sextou”; ou criam absurdos gramaticais, como a tradução de “hoje tem” para “today have.” O estilo de humor ressoou nas redes sociais, fazendo o father of the donkeys ultrapassar um milhão de seguidores através de todas suas redes sociais em cerca de apenas um ano.

“A grande maioria dos seguidores é brasileira”, diz Matheus Diniz, “mas sempre recebo mensagens de gringos, ou brasileiros que mostram a página para amigos gringos. Me mandam vídeos ensinando estrangeiros a falar expressões brasileiras e entrando na brincadeira. Alguns até aprendem algumas coisas com isso.”

Matheus Diniz diz que tenta ler todas as mensagens que recebe, em busca de ideias para publicações, e que atualmente tem um banco de dados com mais de seiscentas ideias. “Além disso, meu cérebro ficou treinado; estou constantemente procurando por expressões brasileiras curiosas”. Com 900 mil seguidores apenas no Instagram, as sugestões não são poucas, mas afirma que a interação com seus seguidores é uma das mais importantes características do perfil. 

Entretanto, talvez a maior confirmação do sucesso da página tenha vindo três semanas atrás. No dia 18 de novembro, o Greengo Dictionary fez o seguinte post: “Fomos convidados pela @stonepagamentos para criar frases que representassem o universo empreendedor do Brasil na avenida mais visitada de Manhattan: A TIMES SQUARE!”

De uma maneira natural, Matheus Diniz fez uma transição impossível para a maioria de páginas de memes na internet. Além da fintech Stone Pagamentos, o Greengo já fez parcerias comerciais com posts patrocinados por rede de presentes e decoração, rede de restaurantes fastfood, canal de tevê, loja de smartphones, marca de vodka, marca de maquiagem, pizzaria, montadora de automóveis, time de futebol e muitos outros. 

“As marcas demonstram interesse e chegam com algumas ideias, eu complemento com as minhas”, afirma Matheus Diniz. “Tomo muito cuidado para manter o conteúdo engraçado. Eu não posso simplesmente divulgar um produto. O post tem de provocar interação. Na internet, já somos bombardeados o tempo todo por publicidade, eu não posso violar as pessoas jogando mais propaganda neste espaço.” Apesar da variedade de parcerias, o conteúdo dos posts têm regularidade e é difícil saber quais foram patrocinados.

Quanto ao futuro, Matheus Diniz afirma que o que tem mais lhe empolgado recentemente é a materialização do trabalho – produtos engraçados, estampados com as frases do perfil. “Quero expandir porque vi que tem potencial para outros produtos e sei que está fazendo muito sucesso”, diz ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.