Boa Sorte: a busca pela paz em meio às desgraças da vida

Baseado em texto de Jorge Furtado e dirigido por Carolina Jabor, o longa escancara uma sociedade que se espanta com um beijo gay na TV e não encara a AIDS, o vício, a loucura, a escassez, o inóspito

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“Você é o que? Drogado, esquizofrênico?
Drogado.
Sorte.
E qual a sua droga?
Remédio pra ansiedade.
Já tomei de tudo.
E agora?
Agora, eu vou morrer.
Por que?
Precisa mais?” — 
Jorge Furtado

Yago Rodrigues Alvim

Assim se conheceram Judite e João. E assim que terminam, ela morre. O recorte tem como plano de fundo uma clínica de reabilitação, onde temáticas espraiam pelas paredes e além-elas. Ela, Judite, porta o vírus HIV. Ele, João, toma “Frontal com Fanta” — conto, presente no livro “Tarja Preta” (Objetiva), de Jorge Furtado. Este texto, que começa já pelo fim, inspirou o filme.

“Ela me perguntou quantas pessoas eu já vi morrer. Quantas pessoas você já viu morrer? Nenhuma, eu disse. Ela sorriu e disse eu vou ser a primeira. Eu disse vai. Ela disse boa sorte.
— Boa sorte.”

Com direção de Carolina Jabor, filha do cineasta Arnaldo Jabor, o longa “Boa Sorte” já ganhou as prateleiras de livrarias — já ganhou prêmios no Festival de Paulínia (foi vencedor nas categorias júri popular e direção de arte). A estreia foi em 20 de novembro do ano passado.
“Me veio uma mistura de tristeza e a dificuldade de largar a Judite”, disse Deborah Secco, que viveu por quase um mês (tempo de gravação) a personagem e que, por ela, acabou dois meses internada. Antes mesmo de começarem a gravar, a atriz teve acompanhamento médico para perder 11 quilos. João Pedro Zappa interpretou João. No longa, ele recebe a orientação médica: precisa “aprender a relaxar”. Com Judite, ele aprende a crescer, seguir com a vida.

Da arte, estampa-se o vermelho nas vestes de Judite — são de admirar as cenas em que a atriz aparece. Ela sempre traz consigo esta cor de sangue. Dos simbolismos, o filme se embala na composição de Jorge Mautner, na voz de Caetano Veloso. “O vampiro” canta já na primeira estrofe: “Eu uso óculos escuros pras minhas lágrimas esconder/ E quando você vem para o meu lado, ai, as lágrimas começam a correr/ E eu sinto aquela coisa no meu peito/ Eu sinto aquela grande confusão/ Eu sei que eu sou um vampiro que nunca vai ter paz no coração”.

O filme é sobre coisas puras. De quem busca a paz. A busca tem lá sua insatisfação, sua agonia. Na pureza, existe o cru. E lá mora o amor, a paz; é quase que cais (de paredes descoradas). E essa, talvez, seja a grande maestria da obra, que desvela um lugar inóspito e, ali, o que se vê dói. As relações humanas, tais como a de João com os pais ou de Judite com a vó (interpretada por Fernanda Montenegro), são gastas. O menino é invisível. “Frontal com Fanta” faz com que ele desapareça; perambule pela cidade sem que ninguém o note; converse sem dizer uma palavra sequer — faz com que ele lamba garotas, até não ser invisível mais. No filme, tem essa cena em que ele, João, lambe uma garota e leva um soco e, só assim, volta à sobriedade.

A sobriedade é a coisa que eles mais veem. De tanta sujeira que veem são os mais puros. Tem outra canção que marca (não o filme), mas sua divulgação: “Não Consigo”, da Banda Tono. Num trecho, entoa “A tua flor não é flor pra qualquer jardim/ quero pra mim, pois já cansei de capim”. E, assim, vai elencando coisas sagradas. Para João, primeiro vem “você” e, depois, “mulher”. Já para Judite, das coisas sagradas, primeiro vem “o homem”, depois, “o cachorro”, por último, depois de tantos outros seres, está o vírus, que “quase não é bicho”. João pergunta onde é que ele está. “Entre o homem e o cachorro” — ela responde.

Ainda que menos denso que o texto de Furtado, no claro, “Boa Sorte” é da pesada, com boas doses de ironia e descontração. Do todo, “Boa Sorte” escancara uma sociedade que se espanta com um beijo gay na novela das nove. Escancara uma sociedade que não encara a AIDS, o vício, a loucura, a escassez, o inóspito. Numa cena, Montenegro fuma maconha em papel de bíblia. Numa cena, Montenegro escancara: “O vício é uma desgraça”.

E o barato é que o enlace entre duas pessoas está ali. Escondido em sumo limão, em que ela escreve: “A mente quer ser Deus. O corpo lembra que somos bichos. Minha mente mandou obedecer meu corpo. Obedeci. Meu corpo ficou feliz. Viveu muito, viveu rápido. Minha mente foi atrás. Judite estava indo embora quando apareceu o cachorro. Bobo e bonito, assim nascido. Achava que era invisível, mas não era. Cachorro recém-chegou. Não tinha pressa, não tinha pra onde ir. Judite não podia ir embora, deixar o cachorro ali, assim. Foi ficando”.
Foi ficando, foi ficando até dizer “boa sorte”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.