Filme “A Flor” conquistou Locarno

Filme argentino de Mariano Llinás foi o filme mais comentado, mais visto, mais amado ou mais detestado, destes dez dias

Filme argentino A Flor, de Mariano Llinás | Foto: Divulgação

Rui Martins**
Especial para o Jornal Opção

Duas horas antes de serem anunciados os prêmios do Festival Internacional de Cinema de Locarno, uma coisa é certa, o filme argentino A Flor, de Mariano Llinás, foi o filme mais comentado, mais visto, mais amado ou mais detestado, destes dez dias.

Primeiro por sua duração:14 horas, com projeções todas as manhãs. Um filme longo pode se tornar penoso, pode ser o sofrimento de um pequeno número de aficionados dos chamados filmes de autor. Porém, é fácil saber se tem penetração no público: basta se olhar na sala. Está cheia? ou tem meia-dúzia de gatos pingados?

A Flor era um exceção, porque em princípio não se seleciona filme longo para a competição, pois vira um quebra-cabeça a programação da exibição. Porém, o diretor do Festival, deixando Locarno para dirigir Berlim, tinha ampla liberdade de movimento. E aceitou. Disse mesmo na coletiva em julho com a crítica, ser um filme destinado a ficar na história do cinema, a imprimir sua presença.

Outra exceção foi a de se reservar uma grande sala, todas as manhãs, para projeção de A Flor, no mesmo horário de um outro filme em competição, forçando-se os jornalistas a tumultuarem suas agendas. Como havia 8, projeções de A Flor, cada uma com hora e meia ou duas horas de duração, muitos críticos decidiam ver pelo menos duas delas.

A coisa complicava porque A Flor não é um seriado ou telenovela. As histórias começam mas não terminam e, pior, não continuam na próxima projeção. Cada história tem vida própria, a maioria mostram as quatro belas mulheres envolvidas, principalmente em espionagens. Em síntese, cada dia uma surpresa ou atração. Sem cansar ou dar sono porque A Flor conta as histórias de maneira diferente, é esse seu forte. E a música e a fotografia, e as tomadas nos prendem.

Alguns falam em um toque godardiano, é verdade, pode ser, mesmo porque, depois do filme, como antigamente, se procura interpretar isto ou aquilo mostrado no filme. Não é um filme que se injeta no espectador submisso. Ele é diferente, mas dizer ser godardiano seria restringí-lo, ele tem de tudo que o cinema já fez de bom. E a cada dia de projeção se espera qual será o novo menu, a nova trama, a nova receita.

A outra novidade é a de se misturar a crítica com o público. O cinema fica cheio, sai pouca gente durante a projeção, e há aplausos. Talvez A Flor não seja o melhor filme do Festival de Locarno, mas é o mais diferente. E é claro, depois de A Flor, os festivais não poderão mais exigir filmes de duas horas no máximo.

E a música? Desde ontem. o último capítulo, quando a maior parte do filme era uma homenagem ao cinema mudo, num silêncio total, ficou tocando na minha cabeça a música de fundo dos letreiros finais, as contribuições ao filme em termos de atores, produtores e tudo mais. E essa música que cola nos ouvidos, sequer está gravada, me confessa Mariano Llinás.

Algo de novo no cinema? talvez nem tanto porque a base é a mesma, porém uma nova utilização dos recursos até agora utilizados em cinema. Mariano Llinás é criativo, original, inova, amplia nossa visão, nos oferece algo inteligente e por isso a maioria adorou A Flor, porque sai daquele prato batido do feijão com arroz à macarronada.

**Rui Martins, está em Locarno, convidado pelo Festival Internacional de Cinema

Deixe um comentário