Escultura em rotatória de Aparecida: arte vai ao encontro da população

Iniciativa de empreendedores traz para um bairro ainda em construção um monumento que causa uma mudança radical – e positiva – na paisagem

Vista aérea do monumento construído em praça rotatória do Aparecida Garden, um bairro em construção em Aparecida de Goiânia | Foto: Divulgação

Desde quinta-feira, 9 de junho, quem passa pela região leste de Aparecida de Goiânia numa rotatória à entrada de um novo loteamento ainda em construção, o Aparecida Garden, avista uma escultura de seis metros de altura.

A autoria é da dupla de artistas plásticos – pai e filho, respectivamente – M. Cavalcanti e Felipe Cavalcanti. Os executores do monumento estiveram presentes à inauguração na semana passada, que contou com um evento cultural para imprensa e convidados.

Mais do que uma forma estética, monumentos públicos também visam aproximar arte ao público. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) apontam que cerca de 70% da população brasileira nunca esteve em museus ou centros culturais. Outro estudo, do Ministério da Cultura, registrou que o índice de brasileiros que não frequentam ou nunca foram a um museu é de 75%.

Ambos os estudos demonstram o quanto a arte ainda é distante da população, por isso são importantes as iniciativas que buscam aproximá-la do público. Foi com esse espírito que veio a ideia de erguer uma escultura gigante em uma área “vazia” de arte, por parte de responsáveis pelo empreendimento imobiliário – conduzido por Gr Group, Novato Holding, Sinapse e Urbanizamos Incorporadora.

M. Cavalcanti e sua obra na paisagem de Aparecida de Goiânia: “Poderia ter sido em qualquer cidade do mundo, mas está aqui” | Foto: Divulgação

Para M. Cavalcanti, o evento poderia ter sido em qualquer lugar do mundo, “Londres, Paris, Nova York ou Berlim, mas está aqui em um loteamento de Aparecida de Goiânia”.

“Para nós, artistas, é uma grande satisfação participar de projetos assim, levando arte para um bairro popular, em uma região nova de uma cidade. A arte pública ajuda a compor o cenário das cidades, mas vai além da estética. Ela torna as cidades mais humanas, desperta a sensibilidade, a reflexão e a imaginação das pessoas”, diz M. Cavalcanti, com carreira consolidada no Brasil e no exterior. Ele tem propriedade para falar de cidade e pessoas: além de artista, é também arquiteto e urbanista.

No centro do Brasil, a chamada “arte pública” tem espaço por conta do planejamento de suas duas grande capitais, Brasília e Goiânia. “Brasília talvez seja uma das cidades brasileiras que mais contêm a expressão artística em seus espaços públicos. Goiânia também tem destaque relevante artes públicas”, lembra M. Cavalcanti.

Além das esculturas a céu aberto que contam a história da capital, que são, inclusive, patrimônio art déco, obras em grafite e monumentos nos viadutos que estão se tornando cartões postais da capital goiana. “A partir desse movimento, percebemos essa influência chegar também a outros municípios, como é o caso de Aparecida de Goiânia”, complementa. Para ele, iniciativas como a que está acontecendo no Aparecida Garden são um incentivo para a arte continuar ativa no Estado. “Vai ser uma surpresa muito agradável, pois estará no meio do Cerrado, dentro de um bairro novo. Certamente, vai chamar muita atenção e vai mexer com toda a cidade”, considera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.