Em cada lar, um robô para chamar de seu

Se a criança convive em um ambiente cercado por robôs desde o nascimento, ela será capaz de criar laços emocionais com outras crianças? Ou apresentará dificuldade para interagir com humanos?

A interação de crianças com robôs está se tornando, a cada dia, mais tangível | Foto: Divulgação

Anderson Fonseca
Especial para o Jornal Opção

Em 2007, o co-fundador e ex-presidente da Micro­soft, Bill Gates, afirmou, em artigo publicado na Scientific American Brasil, que, 7 milhões de robôs estariam em funcionamento no ano de 2008, e, até 2013, na Coreia do Sul, haveria um robô em cada casa. A previsão não aconteceu. Ainda assim, é possível que até 2030, os robôs domésticos se tornem parte do ambiente familiar. Sempre que leio a respeito de robôs domésticos, sejam aqueles construídos para desempenharem tarefas caseiras como recolher o lixo, ou, entretenimento, como bicho de estimação, me pergunto qual seria o impacto cognitivo e emocional na família, em especial, nas crianças. Claro que há impacto. A questão é que não houve verificação e nem é possível, visto que a comercialização de robôs domésticos é recente.

No artigo “O melhor amigo do meu filho é um robô” (Jornal Opção, edição 2165), especulamos com base no conto Robbie, de Isaac Asimov, o efeito da interação social de robôs empáticos com crianças. A personagem Glória (uma menina de oito anos) é um modelo hipotético para qualquer criança de mesma idade (acreditando que ela tenha sido criada com robôs desde o nascimento ou a partir dos 3 anos de idade). O modelo leva-nos a acreditar que, crianças educadas com robôs domésticos, desenvolveriam por eles sentimentos empáticos afetando seu comportamento, interação social e cognição.

A narrativa de Asimov é uma situação hipotética que serve como referência para a criação de um modelo que reproduza semelhantes condições a fim de verificar os efeitos da convivência familiar com robôs sociais.

Duas experiências

A Universidade de Washin­gton, em 2012, fez um estudo visando descobrir se robôs babás seriam capazes de estimular a interação social, formação de laços afetivos e contribuir no desenvolvimento cognitivo de crianças. As perguntas que guiaram o projeto eram: Como as crianças se relacionariam com estes robôs? Elas os veriam como entidades personificadas ou apenas objetos?

A experiência iniciou com um jogo de adivinhação: as crianças deveriam adivinhar que objeto o robô escolheu, e o robô, depois, que objeto foi escolhido pelas crianças. Os pequenos animados, no momento de adivinhar o objeto selecionado pelo robô, foram surpreendidos pela equipe para responderem a um questionário. Para elas responderem as questões, o robô seria guardado no armário. Quando era transportado, o robô começou a protestar (na verdade eram outros membros da equipe através do controle de voz remota). O robô dizia: — Isso não é justo. O armário é escuro. A reação da máquina despertou a empatia das crianças. De 90 meninos e meninas entre 9 e 15 anos, 88% afirmaram achar injusto o tratamento dado ao “amigo” e 54% acharam não ser certo colocá-lo no armário. 80% considerou o robô inteligente (as crianças desenvolveram uma teoria da mente para as máquinas humanoides que simulam comportamento humano) e 60% que ele tinha sentimentos (razão para a formação de laços afetivos). De 90, um pouco mais da metade afirmou que daria suporte emocional ao robô, como abraços e diálogos.

A psicóloga Solace Shen, orientadora da pesquisa, afirma que relacionamentos com robôs, quando significativos, podem afetar a capacidade de interação social da criança, dificultando a formação de laços entre humanos. É claro, se levarmos em conta a idade em que ela teve o primeiro contato com a máquina, se a partir de zero ano, ou de 3 anos, ou depois dos 11.

A segunda experiência foi publicada no site Big Think, em 2015, estava em desenvolvimento, sem, por isso, ter resultados para se medir os efeitos da interação entre humanos e robôs por longo período em ambiente familiar.

A experiência envolve 12 vo­lun­tários britânicos vivendo em uma casa habitada por 4 robôs domésticos: dois para fins de auxílio doméstico e outros dois para entretenimento e companheirismo. O objetivo é determinar as consequências psicológicas em seres humanos causados pela interação com robôs.

Os resultados não foram ainda publicados e também não foi divulgada a universidade responsável pelo estudo. Apesar disso, o interesse em medir os efeitos psicológicos, cognitivos e sociais dos robôs do­més­ticos sobre a família tem se tornado cada vez mais foco de pesquisas.

O tempo de interação entre um ser humano e um robô afeta o modo como o ser humano percebe a máquina. Do mesmo modo em que o tempo gasto em uma rede social, celular, ou computador modifica a forma como o cérebro percebe essas ferramentas, a interação com robôs que simulam empatia, inteligência e comportamento autônomo, afetaria o modo como o homem os percebe. Certamente, a empatia, o comportamento autônomo (ou melhor, instintivo) e a inteligência despertam em quem com eles interage um sentimento empático (a empatia pelo que está “vivo”).

Os dois experimentos objetivam traçar os efeitos psicológicos da interação homem-robô.

Se a criança convive em um ambiente cercado por robôs desde o nascimento, ela será capaz de criar laços emocionais com outras crianças? Ou apresentará dificuldade para interagir com humanos? Quais transformações cognitivas este convívio irá causar?

Certamente, o tempo em que criança é exposta a uma tecnologia altera sua cognição graças à neuroplasticidade cerebral (cada informação nova altera a rede neural e esta mudança na estrutura é uma forma de registro e adaptação). Depois de exposta, aquela informação registrada altera a forma como ela percebe o mundo. Assim, quanto mais cedo uma criança interage com robôs, mais profunda são as alterações cognitivas.

Robôs empáticos são programados para simular sentimentos com a finalidade de despertar nos humanos empatia. No entanto, é apenas uma programação, a empatia não é real. Por exemplo, o robô Pepper está realmente preocupado com o bem-estar do dono? Claro que não. Mas o programa simula o sentimento, passando a impressão de realismo. O humano que interage com esta máquina poderá ter sentimentos reais por ela, no entanto, o robô não entende o significado nem o valor deste sentimento, ele só é capaz de, a partir do reconhecimento facial e alterações na modalidade vocal, reagir como programado: entreter o cliente para animá-lo.

Imagine crianças vivendo com robôs em casa desde o nascimento, máquinas com quem brincam, conversam e se simpatizam, quais as consequências desta interação de longo prazo? Será isso bom? Ou será mau?

Há o perigo de elas substituírem a interação com humanos pela interação com robôs?

Há o risco de a criança desenvolver uma falsa empatia?

É muito cedo para fazer especulações, mas também não é tarde.

Anderson Fonseca é neuroeducador e escritor de ficção científica. Pesquisa o impacto cognitivo em crianças educadas com robôs domésticos.

Artigo originalmente publicado na página do autor, na plataforma Medium.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.