Edgar Allan Poe, o mestre supremo do terror, ganha nova edição no Brasil

Edgar Allan Poe é, ainda hoje, o mestre do terror na litetatura

Apesar da crise que abala o mercado editorial brasileiro, a DarkSide tem inovado com publicações de qualidade tanto estética quanto de conteúdo. A editora seria uma espécie de “Cosac Naify do terror e da fantasia” — a empresa de Charles Cosac, que fechou as portas recentemente, foi a editora de maior qualidade editorial no Brasil por muitos anos.

Se firmando nesse sentido, a DarkSide anuncia a publicação do primeiro volume da coleção “Medo Clássico”, trazendo alguns dos contos de Edgar Allan Poe, o mestre do terror. O livro, que chega às livrarias no dia 2 de fevereiro, publica a nova tradução de Poe feita por Marcia Heloisa, que é mestre em Literaturas de Língua Inglesa e faz doutorado em Letras na Universidade Federal Fluminense. Ela estuda o horror moderno.

A novidade da edição, capa dura, é a organização por blocos temáticos: morte, narradores homicidas, mulheres imortais, aventuras, as histórias do detetive Auguste Dupin — personagem que serviu de inspiração para Sherlock Holmes. O prefácio é do poeta Charles Baudelaire, admirador confesso de Poe e o primeiro a traduzi-lo para o francês.

O livro ainda traz três versões do poema “O Corvo”, que talvez não seja o melhor trabalho de Poe, mas é o mais conhecido: além do original, em inglês, há também as traduções para o português feitas por Machado de Assis, em 1883, e por Fernando Pessoa, em 1924.

Visualmente, a edição lembra a da estadunidense Barnes & Noble Classics, que reúne, em 1040 páginas, todos os contos e poemas de Poe. A edição da DarkSide tem 384 páginas e a editora já anunciou que prepara o segundo volume sobre o autor, que inaugura uma coleção que contará também com Mary Shelley, Bram Stoker e H.P. Lovecraft.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.