É possível ter formas fixas na poesia atual? Escritor dá a resposta em oficina gratuita

No terceiro encontro da série de oficinas promovidas pela UBE-GO, poeta Aidenor Aires fala que, mesmo defendendo formas livres, a liberdade literária não permite a escrita de qualquer “bobeira”

Aidenor Aires

Aidenor Aires: “Estamos no tempo em que conseguimos contemplar a todos os movimentos” | Foto: Fernando Leite

Depois de Marcelo Mirisola e Claufe Rodrigues, é a vez de Aidenor Aires ministrar oficina na série de oficinas de escrita criativa promovida pela União Brasileira dos Escritores (UBE) — Seção Goiás, que convidou 11 escritores reconhecidos nacionalmente para debater literatura e difundir conhecimento sobre o tema.

No último sábado, 7, o poeta Claufe Rodrigues, do Rio de Janeiro, ministrou oficina com casa cheia, falando sobre poesia contemporânea e contando um pouco de sua história na literatura, que começou ainda na década de 1970. Nesse dia, o auditório da UBE-GO se transformou em palco para um sarau.

A oficina de Aidenor é neste sábado, 14, quando falará sobre “As formas fixas da poesia lírica”. Ele explica que vai abordar a dinâmica e a evolução das formas líricas ao longo dos anos, analisando principalmente o que acontece na poesia atualmente, que, de uma forma ou de outra, sempre se remete à tradição.

Segundo ele, vivemos em um tempo simultâneo. “Atualmente, existe a defesa pelas formas livres, mas vemos que o campo da liberdade não permite que as pessoas escrevam qualquer bobeira. Isto é, é necessário ter coerência estilística. Fora isso, estamos no tempo em que conseguimos contemplar a todos os movimentos. Veja que o soneto, que tem uma forma extremamente rígida e fixa, ainda é utilizado por vários poetas”, explica.

Ou seja, a defesa pela não rigidez das formas não impede que as formas fixas sejam usadas. “Os próprios poetas da década de 1930 imitaram os parnasianos, que eram muito preocupados com a forma. E é sobre isso que vou falar, partindo do clássico e passando pelo barroco, pelo neoclássico, modernismo e simbolismo, mas tendo como foco a poesia que é praticada hoje”, relata.

Aidenor é baiano, mas mora em Goiás e pertence à Academia Goiana de Letras (AGL) e já ganhou vários prêmios, entre eles o Fernando Chinaglia e o Bienal Nestlé de Literatura Brasileira. Seus poemas já foram traduzidos para o espanhol e para o francês.

As inscrições para as oficinas são gratuitas e as vagas são limitadas. Os interessados devem se inscrever exclusivamente pelo site www.ubeoficinas.com.br. Todas as oficinas acontecerão na sede da UBE-GO, localizada na Rua 21 nº 262, no Centro, ao lado do Colégio Lyceu de Goiânia.

Serviço

Oficina: As formas fixas da poesia lírica
Palestrante: Aidenor Aires
Data: 14 de maio (Sábado)
Horário: 9h às 12h — 14h às 17h
Local: UBE-GO
Rua 21 nº 262, Centro, ao lado do Colégio Lyceu de Goiânia
Inscrições: www.ubeoficinas.com.br.
Contato imprensa: Edival Lourenço | (62) 9972-7110

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.