Documentário “Outro Sertão” conta dos anos de Guimarães Rosa na Alemanha Nazista

Guimarães

“O diabo na rua,

no meio do redemoinho…”

João Guimarães Rosa, “Grande Sertão Veredas”

Yago Rodrigues Alvim

“Nonada. Tiros que o senhor ouviu foram de briga de ho­mem não, Deus esteja. Alvejei mira em árvores no quintal, no baixo do cór­rego. Por meu acerto. Todo dia isso faço, gosto; desde mal em minha mo­cidade. Daí, vieram me chamar. Causa dum bezerro: um bezerro branco, er­roso, os olhos de nem ser — se viu —; e com máscara de cachorro. Me disseram; eu não quis avistar. Mesmo que, por defeito como nasceu, arrebi­tado de beiços, esse figurava rindo feito pessoa. Cara de gente, cara de cão: deter­mi­naram — era o demo”, assim começa João Guimarães Rosa a extraordinária obra “Grande Sertão Veredas”, de 1956.

Romancista, cronista e contista brasileiro, o mineiro Rosa (1908-1967) também era um diplomata. Recentemente, por meio da página “Letras in.verso e re.verso”, na rede social Facebook, o público pôde ver um trecho do documentário “Outro Sertão” (2013), dirigido e produzido por Adriana Jacobsen e Soraia Vilela. Agraciado na Competição Oficial do Festival de Brasília 2013, como vencedor da categoria, a obra fala da estadia de Rosa na Alemanha nazista, entre 1938 e 1942, quando vice-cônsul em Hamburgo.

Foto: Reprodução/Editora Nova Fronteira

Foto: Reprodução/Editora Nova Fronteira

São imagens de arquivo da época, documentos e testemunhas, além de uma entrevista inédita com o próprio Rosa, na qual revela alguns detalhes de sua vida. “Imagens, em grande parte feitos por amadores alheios à estética oficial da propaganda nazista, esboçam o cenário no qual ele viveu. Trechos de cartas, contos e anotações em off revelam suas impressões pessoais”, detalha a sinopse do documentário na página “Outro Sertão”, também no Facebook.

No vídeo, o escritor fala de seu sobrenome, que tem uma relação com a Alemanhã; de seus ofícios de diplomacia e escrita; e de suas obras, a exemplo “Grande Sertão Veredas” e “Primeiras Estórias”, de 1962.

Veja o vídeo:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.