Diretor Walter Carvalho: “Cinema é imagem. Seu truque é encantador”

Na manhã do sábado, 15, o diretor participou do Fórum de Cinema do Fica 2015, com uma mesa sobre Cinema, Fotografia e Roteiro

Flavio Isaac

Foto: Flavio Isaac

Yago Rodrigues Alvim

“Apague as luzes”, pediu Walter Carvalho. É que as luzes brancas eram deprimentes. Muito simpático e gentil, este foi o único pedido do diretor. Ele participou do Fórum de Cinema do Fica 2015, que tinha como tema “O Cinema, a Fotografia, o Roteiro e o Mundo”. Ao lado da também diretora Ilda Santiago, Walter foi exemplificando a cada pergunta proposta pela plateia. “Como não sou teórico, e sim um fazedor de filmes, eu prefiro ir por exemplos”, disse.

Walter, ao longo do Fórum, foi definindo o que era Cinema. As questões apareciam. Quanto a fotografia de um filme, ele explicou que ela já está no roteiro. “A fotografia está na página do roteiro e tudo depende da produção. Pois, se tem uma varanda ao entardecer descrita e a produção não te arruma uma varanda é outra história”. Segundo ele, se alguém impõe que algo tem que ser belo, ele está perdendo.dendo. Afinal, como disse, “a beleza está no gesto do pintor, não na qualidade da tinta”.

Do auditório da Unidade de Sant’Ana da UFG, na Cidade de Goiás, apenas uma moça de ergueu o braço, quando o diretor perguntou quantos produtores estavam ali. Sendo assim, pode dizer: “O cinema cresceu muito. Eu sei, pois faço cinema há muitos anos. E o que não cresceu junto foi a produção”. Ele deu exemplos de sua carreira, para explicar o motivo. Cortes absurdos por fins econômicos e mesmo a falta de conhecimento/mentalidade sobre cinema foram citados. Ao fim, brincou que só pode dizer, pois só tinha um produtor presente ali; do contrário, não o deixariam sair do auditório.

Quanto ao storybord, ele foi simples: “Eu sou contra o storybord“. Reconheceu sua importância na publicidade, mas para o cinema, disse, é algo que fica debaixo da cadeira do diretor-geral do filme. “O diretor não fica correndo atrás de algo imaginado, de uma geometria do desenho que na vida real não tem.” O diretor também explicou o que era finalizar – “encontrar o tom certo da cor do filme” – e falou sobre planos, dentre outros assuntos. Segundo ele, “tem planos que, quando a filmagem acaba, a equipe chora”.

– Um filme é composto por vários planos e parece que é um só. A ideia que uma criança tem de um filme é que ele passa direto. E não é. São segmentos da história real no tempo. O plano, para mim, é uma liturgia que foi se dessacralizado com a tecnologia. Como uma palavra conquista o lugar no poema? “Dos cem prismas de uma jóia/Quantos há que não presumo“, escreveu Drummond. Isso sustenta o plano, pois o plano é como uma coluna que, se errarmos a metragem, desmorona.

De sua experiência, lembrando Pedro Nava, “a experiência é um farol voltado para trás“, disse que leva muito mais o que aprende com cada filme que faz, do que o que deixa dentro dele. Por fim, deixou Walter como ensinamento: “Cinema é imagem; é um instrumento que trabalha com a sua incapacidade de perceber o movimento do objeto. Seu truque é encantador”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.