Dicotomia

Reprodução/Tumblr

Reprodução/Tumblr

Dando sequência ao projeto “Terça Poética”, que borda suas tardes modorrentas de terça-feira com versos de poesia, publicamos, desta vez, um poema do goiano Rômulo Chaul. Jornalista e DJ, Chaul publica seus versos no blog “Versos, Votos de Amor e Nomes Feios”, que também intitula seu livro, lançado pela Kelps em parceria com a PUC-GO, em 2011. Quer participar da “Terça Poética”? Envie-nos seus poemas; o e-mail é [email protected] Segue o poema “Dicotomia”, de 2014.

Eu gosto das coisas simples
De dormir, acordar e dormir de novo
Eu gosto de coberta enrolada
Perna cruzada e braço dormente

Eu gosto daquele olhar
Carente e também voraz
Que ás vezes você me lança

Eu gosto quando a dança nos leva a desabrochar

(Eu gosto das coisas simples)
De me lambuzar, roçando no seu seio
Te abraçando em meio a olhares alheios
Em lugares impróprios
Sendo incorreto e até vulgar

São as pequenas nuances
Do seu lábio
A cara brava, irritada
Que sempre me colocam no meu lugar

– Eu sinto muito se ás vezes não sei me comportar.

Mas o jeito que você coloca o pé sobre o meu
E chama meu (sobre)nome na hora de gemer
Isso tudo me fascina.

Eu gosto das coisas simples
De ter você por perto, do lado
E em cima.

Rômulo Chaul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.