Deriva do Bem: a história da cidade através do olhar coletivo

Na contramão do olhar subordinado, o projeto propõe o reconhecimento da cidade como espaço físico e de memória

Foto: Giordano Rogoski

Foto: Giordano Rogoski

Nada disso foi planejado. Isso, sim, é deriva.

Ademir Luiz

Yago Rodrigues Alvim

Após perambular pelo centro da capital goiana, Giordano Rogoski, hoje arquiteto e urbanista, deixou de 2012 palavras que descreveriam ho­mens e mulheres de abarrotados cotidianos que coloriam seu arredores, já invisíveis e subordinados à rotina, caso se entregassem à deriva. Escre­veu ele: “Caminhar pela cidade me fez perceber pequenos de­talhes que passaram em branco ao longo dos cinco anos nos quais passei por ali de carro, sempre com pressa, indo para faculdade. Este olhar mais cuidadoso fez com que eu admirasse ainda mais a riqueza arquitetônica e cultural da região”.

Dos mesmos passos, o professor A­de­mir Luiz acresceu a si, e a quem o les­se, cer­tas constatações: “O conceito de deriva ur­bana foi de­sen­vol­vido, nu­ma pers­­pe­ctiva contemporânea, pelo filósofo situacionista Guy Debord, autor do livro clássico que se tornou filme, dirigido pelo próprio autor, ‘Sociedade do Espetáculo’. (…) Por sua vez, o conceito da Deriva Fotográfica do Bem, idealizado pelo arquiteto, urbanista e fotógrafo Bráulio Vinícius Ferreira, soma aos princípios de Debord os elementos da apreciação estética e da solidariedade humana”.

Deriva Fotográfica do Bem, hoje apenas Deriva do Bem, pois perdeu o “Fotográfica” por uma expansão de sentidos e possibilidades, nasceu –– como bem disse Ademir –– com o também professor Bráulio; e fora nu­ma disciplina que ministrava no ano de 2010. A proposta era que estudantes, seguindo a ideia filosófica, reconhecessem o espaço físico, a cidade, enquanto território coletivo, enquanto espaço constituído e constitutivo de memória. De lá para cá, muitas coisas se movimentaram, mudaram de lugar –– bem como uma cidade pulsante.

Idealizador do projeto, Bráulio Vinícius Ferreira, aponta que o Deriva do Bem está expandindo seus horizontes - Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Idealizador do projeto, Bráulio Vinícius Ferreira, aponta que o Deriva do Bem está expandindo seus horizontes | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Dum lado, muitos resultados satisfatórios, doutro, a percepção de um espaço público nada coletivo. As edições, sempre com bate-papos e caminhadas voltadas para o Setor Cen­tral da capital goiana, se acresciam ca­da vez mais de participantes. Assim, as doações de roupas e produtos alimentícios, almejadas a serem destinadas a instituições de caridade, aumentavam consequentemente.

Neste ano, conta Bráulio, a Deriva do Bem já tem desdobramentos: um manual está sendo preparado para que seja realizada em outros estados/cidades; uma primeira edição em outro município (Cidade de Goiás) deve acontecer já em setembro; a ação voltou à academia também enquanto pesquisa “Deriva do Bem: Cidade, En­contro e a Memória”, desenvolvida pelo próprio professor (ela tem o caráter de Projeto de Ex­ten­são); e um livro com depoimentos e fotografias está sendo viabilizado.

Você pode conhecer um pouquinho mais do que é o projeto participando do Deriva 2015, que propõe reconhecer os Poros dos Jardins Invisíveis. É nesta sexta e sábado, 19 e 20, no Setor Sul. Basta se inscrever: www.derivafotograficadobem.com.br/inscricoes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.