Danny Boyle leva a Berlim uma espécie de continuação de Trainspotting, clássico dos anos 90

O diretor nega, mas “T2” mais parece uma sequência para as aventuras vividas em 1996

T2 é uma continuacão de “Trainspotting”? Danny Boyle nega essa suspeita, mas de fato parece

Rui Martins
Especial para o Jornal Opção, de Berlim

Eles formavam uma quadrilha, porém Mark Renton partiu com as 16 mil libras de um tráfico de heroína. Vinte anos depois, Renton retorna da Holanda a Edimburgo e reencontra Spud, Sick Boy e Begbie, em situações diversas e muito perigosas.

“T2” é uma continuacão de “Trainspotting”? Seu diretor, Danny Boyle, nega essa suspeita, porém, a impressão é de um retorno dos quatro para reviverem, num contexto diferente, as aventuras que excitaram jovens hoje quarentões.

“Não é uma sequência, mesmo porque o clima da época de ‘Trainspotting’ era outro, tudo mudou, e seria impossível reeditar, com o mesmo impacto, as aventuras do passado”, diz Danny Boyle, o diretor e criador, que não precisa provar nada, pois já embolsou até um Oscar com “Slumdog Millionaire”.

Mesmo assim, não se pode evitar os comentários maldosos dos que veem os amadurecidos jovens de outrora como num exercício de come-back no estilo dos Rolling Stones. Porém, não se pode negar, o filme tem música, movimento, fotografia, cenas, enfim, tudo de bom, mesmo para os jovens de agora que nunca viram o primeiro “Trainspotting”.

A atriz búlgara Anjela Nedyalkova contou, no encontro com a imprensa, ter visto essa primeira versão quando bem adolescente e não ter gostado de certas cenas chocantes. Agora participante do “T2”, ela viveu Veronika, a esperta garota que soube convencer o grupo a criar um grande bordel com sauna em Edimburgo, mas fugiu para Sofia com as 100 mil libras obtidas para execução do projeto, deixando seus amigos sem nada e obrigados a viverem novas aventuras.

Rui Martins está em Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema

Deixe um comentário