Contos marcianos (7): Natimarte, de Edgar Franco-Ciberpajé

Todos os pesquisadores permanecem por até 60 horas terrestres aqui dentro, o máximo de tempo possível sem ser afetado densamente 

(Com o apoio do escritor e doutor em História Ademir Luiz, o Jornal Opção começa a publicar uma série do que se pode chamar de “contos marcianos” ou de contos galácticos. As viagens espaciais estão, afinal, na ordem do dia.)

Natimarte

Edgar Franco-Ciberpajé

Nada faz muito sentido aqui dentro. Mas nada faz sentido em lugar nenhum. Somos nós que damos sentido à existência, agarrando-nos às nossas crenças – subprodutos da imberbe cultura humana – e às nossas parcas e porcas ditas experiências, em existências limitadas que não são nada diante da imensidão das eras cósmicas. O planeta, que por décadas parecia desabitado para nós, guardava um segredo em seu núcleo oco e de temperatura praticamente estável, por volta de 37 graus Celsius.

Foi nomeado pelos gregos de Ares, o deus da guerra, e renomeado como Marte pelos Romanos. Talvez o sentido que eu esteja dando ao que estou experienciando agora seja o mais distante possível da concepção de guerra. Ou seria esta a semente astral de uma guerra diferenciada?

Eu vim com a décima primeira missão de exobiólogos que estudam o núcleo de Marte. Sou especializado em psicologia transhumana, humana, animal e vegetal. Estudei e analisei todos os relatórios das missões anteriores, mas nada se compara a estar aqui agora, conferindo com meus próprios olhos e demais sentidos este fenômeno completamente inusitado, sem precedentes, sem explicações lógicas, sem nenhum sentido a partir de  todos os paradigmas que balizam a ciência humana. Entretanto, a estrutura básica do fenômeno retoma metaforicamente algo que é muito natural no contexto da biosfera Terrestre, produzindo um estranho paradoxo entre sua forma compreensível e seu modus operandi incognoscível.

Estou há 63 horas aqui, e vivencio a estranha sensação que acaba dominando a nossa psique após algum tempo experienciando o fenômeno. Sensação que leva-nos a uma condição psicológica que rememora estados não ordinários de consciência causados pela ingestão de altas doses de enteógenos como a ayahuasca, o Psilocybe cubensis, ou o peiote. Estados que podem durar por até sete dias após a saída do local, e fizeram inúmeros cosmonautas desistirem de suas missões, retornarem à Terra e mudarem completamente suas vidas e valores existenciais. Por isso todos os pesquisadores permanecem por até 60 horas terrestres aqui dentro, o máximo de tempo possível sem ser afetado densamente pela sensação. Mas eu estou aqui para experienciar profundamente o estado de consciência induzido pelo contato com o sistema, para tentar compreender seus efeitos na psique humana.

Confesso que escrevo este diário tentando manter a coerência e a racionalidade enquanto experiencio a sensação mais extasiante que já experimentei em meus 49 anos de vida. Algo que transcende a ideia de sublime, e mesmo diante das encruzilhadas lógicas que me impedem de ver qualquer racionalidade neste fenômeno, estou em um estado sereno, mas de completa e total percepção e atenção a todos os detalhes inacreditáveis desta experiência transatávica e magnífica.

Agora sinto meu coração batendo exatamente no compasso do dele!

Do ciclópico feto da criatura de milhares de quilômetros de tamanho que é gestada no útero núcleo de Marte.

Edgar Franco-Ciberpajé é professor da Universidade Federal de Goiás, arquiteto e artista.

2 respostas para “Contos marcianos (7): Natimarte, de Edgar Franco-Ciberpajé”

  1. Avatar Gazy Andraus disse:

    Interessante conto ficcio-nal-científico-fantástico. O final deixa uma porta-surpresa aberta! No estilo do mesmo universo de Edgar Franco! Parabéns!

    • Avatar Larissa Dias disse:

      Muito interessante esse contato marciano, transmite a solidão de um estado de pensamento criativo e desinibido, capaz de interligar nossos mundos internos. 63 horas, o ciclo do 9, 49 anos, 7 setenios! Dois números de completude, um mais genérico e aquariano e outro mais pragmático e pessoal. Parabéns, adorei o conto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.