Qual seu gênero de filme favorito? E de cinema nacional, você gosta? Nesta semana se comemora o Dia do Cinema Brasileiro , completando 126 anos de cinema nacional. Em 1898 nascia o cinema brasileiro com as primeiras práticas de produção audiovisual do italiano Afonso Segreto. Estava de chegada da Itália, após ter aprendido técnicas de filmagens. Segundo a história, o primeiro filme exibido no Brasil foi um documentário em 5 de novembro de 1896 sobre a praia de Santa Luzia, no Rio de Janeiro. 

Para te manter informado e entretido, destaco 10 filmes de cineastas tropicais. Este não é um ranking, mas sim uma lista. Todos são filmes gigantes! Vamos lá? 

  • Parque Oeste | Larissa Assis  | O documentário de 70 minutos estreado em 2018 conta a história de Erolnilde Silva, que em companhia com  3000 famílias viveu um conflito com a polícia militar e o Estado de Goiás em Goiânia. Por meio de uma ação violenta e exagerada, 1.800 policiais despejaram 14 mil pessoas do bairro Parque Oeste Industrial. O filme nasceu do curta Real Conquista (2017), nome do bairro para onde as pessoas foram empurradas. 
  • Cidade de Deus | Fernando Meirelles, Kátia Lund | O drama de 130 minutos estreado em 2002 narra 20 anos da história de pessoas que moram no conjunto habitacional Cidade de Deus, no Rio de Janeiro. O bairro construído nos anos 60 foi cenário do aumento de tráfico de drogas e do crime organizado a partir dos anos 80. O filme é baseado em fatos reais e mostra o desenvolvimento da favela brasileira. Cidade de Deus.
  • Número Zero | Cláudia Nunes | O documentário goiano de 22min35s destaca a realidade da população em situação de vulnerabilidade social. As imagens do média foram feitas pelas próprias meninos e meninas desamparadas em oficinas de audiovisual realizadas em Goiânia na década de 90. O filme é potente e emocionante. 
  • Democracia em Vertigem | Petra Costa |  Documentário pós-moderno de 2h 02min que mostra o processo impeachment da ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff, considerado posteriormente golpe de estado, sob absolvição da política. O longa retrata bastidores políticos e um dos momentos mais polarizados da política brasileira. Assista na Netflix (https://www.netflix.com/br/title/80190535) 
  • Bacurau | Kleber Mendonça, Juliano Dornelles | O suspense de 2h10 min mostra a história de um pequeno povoado no sertão brasileiro chamado Bacurau, que depois de perder uma integrante da comunidade e líder religiosa, passam a não estar mais no mapa. Pessoas mortas começam a aparecer e aí a trama se desenvolve num faroeste tupiniquim.
  • Edifício Master | Eduardo Coutinho | O filme documental de 150 minutos apresenta a diversidade das histórias dos 37 moradores do Edifício Master, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Além das pessoas, o próprio prédio tem sua história particular. São 12 andares e 23 apartamentos por andar. No total são 276 apartamentos. Um mundaréu de gente que entra e sai todos os dias.
  • Marte um | Gabriel Martins | A ficção brasileira apresenta o cotidiano e particularidades de uma família mineira de classe média baixa, incluindo quatro pessoas. Mãe, pai, filha jovem adulta e um pré adolescente, moradores de Contagem, região oeste de Belo Horizonte em Minas Gerais. A narrativa mostra as diferenças dos desejos e objetivos individuais da família e também mostra o amor e cumplicidade.  Um dos melhores filmes do ano de 2022. 
  • O auto da compadecida  | Guel Arraes | Comédia de patrimônio histórico e artístico nacional de 104 min nos envolve com as aventuras de um sertanejo pobre e inteligente chamado João Grilo com seu parceiro de vida, Chicó. O filme foi inspirada na peça do escritor paraibano Ariano Suassuna escrita em 1955. Um mergulho na cultura abrilhantada pela ficção e criação do cinema brasileiro. 
  • Marighella | Wagner Moura | O longa baseado em fatos reais de 155 min mostra a história de um político, escritor e guerrilheiro comunista que foi perseguido pela ditadura militar brasileira. Carlos Marighella se tornou líder revolucionário e escolheu enfrentar a opressão e é interpretado brilhantemente por Seu Jorge. 
  • Medida Provisória | Lázaro Ramos | O drama ficcional de 102 min se passa num futuro distópico onde o governo brasileiro decreta medida provisória que obriga cidadãos negros a voltarem para o continente africano como forma de reparação histórica. Três personagens principais resistem ao processo em casa e em Afrobunker, movimento criado que luta pelo direito de permanência no país. 

Leia também Filmes brasileiros têm quase um terço do público nos cinemas em janeiro