“Beber menos, mas beber melhor” é lema de festival de cervejas artesanais

Evento atraiu público ao Centro Cultural Oscar Niemeyer durante três dias não só com a bebida, mas também com cafés especiais, gastronomia e música

 | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Marcas goianas chamam a atenção com estilos diferentes e ingredientes especiais | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Bruna Aidar

O consumo de cervejas artesanais em Goiânia está a todo vapor. A cada ano, surgem marcas especiais, lojas especializadas e bares voltados exclusivamente para esse produto – segundo a consultoria Mintel, em 2014, o mercado cresceu 36% no Brasil. Neste fim de semana, a cidade recebeu também um festival dedicado a este público: o Festival IBU Goiânia.

Sob o lema “beba menos, mas beba melhor”, como bem disse mestre cervejeiro da Astúria, Edmilson Silva, o IBU movimentou o Centro Cultural Oscar Niemeyer com cerveja, cafés especiais, gastronomia e música.

Segundo um dos organizadores do evento, o proprietário do Ateliê do Grão, Rodrigo Ramos, o IBU foi pioneiro em unir cervejas e cafés. “Existem alguns festivais nesse formato nos Estados Unidos, mas no Brasil foi a primeira vez”, destaca.

Para ele, a experiência de unir os dois produtos foi positiva.  “O público de cafés especiais não conhecia, às vezes, as cervejas artesanais, e acabou conhecendo. O pessoal que era das cervejas artesanais e não conhecia o café artesanal, também experimentou”, conta.  “Foi muito legal essa interação e ver que uma coisa tem muito a ver a outra”, comemora.

Rodrigo também destaca que esse é um ótimo momento para a realização de festivais do tipo. “O consumo de café cresce 2% ao ano, o de café especial cresce 25%. Tem muito mais gente ingressando nesse consumo de bebidas diferenciadas e de bebidas especiais, do que das commodities”, esclarece.

Falando especificamente do seu ramo de atuação, explica que oportunidades para o próprio cliente conhecer um produto especial são fundamentais. “O café especial tem demanda por um público novo. Existem feiras direcionadas aos produtores, operadores de máquinas e de cafeteria, torrefadores, mas não existe uma feira direcionada ao público final”, relata e completa: “Se esse público final não conhecer o produto, não tem como ele consumir.”

| Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Patricia Mercês e o sommelier de cervejas Alberto Nascimento comandam a Colombina: “A gente traz mesmo o cerrado pra dentro da garrafa” | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

No festival, além das cervejas que despertaram a curiosidade dos visitantes — destaque para a Roleta Russa, uma India Pale Ale super amarga com índice IBU de 120 –, as marcas goianienses chamaram a atenção. Colombina e Astúria atraíram o público com ingredientes regionais, inusitados e opções diferenciadas da bebida.

Patricia Mercês, que comanda a Colombina, destaca que a marca é um bom exemplo do crescimento do mercado goianiense. Criada há um ano e meio, a cerveja já conquistou o público e tornou-se referência da bebida produzida no Estado. “Tem crescido muito o interesse. Nosso público vem conhecendo, tem deixado de consumir as padrões e buscado algo a mais”, disse ela.

O destaque da Colombina são os ingredientes escolhidos pelo sommelier da marca, Alberto Nascimento. Apostando em produtos típicos do Cerrado, atrai a curiosidade do público, como aponta Patrícia: “Nós, do setor cervejeiro, vemos que a evolução da cultura cervejeira no Brasil é justamente você trazer o que você tem na sua região pra cerveja”. “A gente traz mesmo o cerrado pra dentro da garrafa.”

Além das cervejas de catálogo, as marcas também têm buscado criar produtos especiais, que atraiam a atenção do público. Para o festival, a Colombina, por exemplo, levou a Romaria, criada especialmente para o aniversário da capital. A cerveja, inusitada, mistura a mutamba, fruto típico do México, com a baunilha do cerrado.

A Astúria, por sua vez, conquistou muita gente com a Red, que leva rosas e hibisco na composição. Bem suave, foi um dos destaques do festival. As cervejas colaborativas, em parceria com outras empresas, também são bastante exploradas, como ressalta o mestre cervejeiro da cerveja, Edmilson Silva.

Edmilson Silva, mestre cervejeiro da Astúria: 40 anos no ramo da cerveja | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Edmilson Silva, mestre cervejeiro da Astúria: 40 anos no ramo da cerveja | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Edmilson trabalha com cerveja há 40 anos, com passagens por grandes empresas, como a Ambev. Ele foi convidado pela Klaro, marca de chope que produz a Astúria, e, recentemente, participou da criação do novo produto, que tem quatro meses de mercado.

Ele conta que, a partir de um Mestrado em Administração de Negócios (MBA, na sigla em inglês), a empresa percebeu a existência de um mercado em potencial no ramo das cervejas artesanais. “Percebemos esse nicho aí, começamos a estudar um pouquinho mais o mercado, e vimos que era uma tendência de outros estados, de outras marcas”, explica. “Achamos que pegava bem aqui pra Goiás e acho que não erramos não”, comemora.

Segundo Edmilson, o público é muito interessado nas cervejas artesanais, mas ainda tem muito a aprender: “Às vezes a pessoa pede uma IPA (India Pale Ale), mas na verdade não é a IPA que a pessoa quer”. “Eu percebo que as pessoas precisam de muitas informações ainda, porque muitas pessoas não sabem o que é cerveja artesanal, não entendem de estilo”, diz.

Ensinar o público a apreciar estes produtos, com uma pegada mais artesanal, também é um dos objetivos do IBU e das próprias marcas. “À medida que a gente entra pra falar alguma coisa, que a pessoa descobre, busca mais informações, eu percebo que isso enriquece e ajuda a gente”, sustenta. Ele destaca que workshops e cursos, com troca de informação entre o público e a empresa, são extremamente produtivos.

Rodrigo concorda e diz que o objetivo das marcas não é “constranger” o cliente. “Quero que o coloque a bebida na boca e veja: ‘Isso aqui é diferente, isso aqui é bom’. Então a gente quer que ele tenha uma experiência sensorial, não quero que ele tenha constrangimento, não é nada disso. É sentir uma sensação bacana”, finaliza.

Uma resposta para ““Beber menos, mas beber melhor” é lema de festival de cervejas artesanais”

  1. Fernanda Mello disse:

    Eu aprecio cervejas artesanais. Frequento um Bistrô chamado Cave D’or, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde posso aproveitar os mais diversos tipos de cerveja artesanal.
    Espetacular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.