Arrebatamento, o inconsciente e a loucura

Em obra publicada pela Aller Editora, Érik Porge apresenta homenagem a Lacan com a conclusão da tríade que envolve a escrita do caso, da literatura e da psicanálise

Após ser arrebatado por uma das maiores vozes da literatura feminina francesa do século XX, Marguerite Duras, Lacan escreveu Homenagem a Marguerite Duras pelo Arrebatamento de Lol V. Stein. Agora, mais de 50 anos depois, Érik Porge, psicanalista formado pela Escola Freudiana de Paris, mergulha na análise daquele que o encantou por seu estilo e originalidade de ensino clínico e discorre sobre as tríades de relações e escritas. Em O Arrebatamento de Lacan – Marguerite Duras ao pé da letra, lançado no Brasil pela especialista em publicações de psicanálise, a Aller Editora, Porge consegue encontrar ternários da topologia borromeana na análise da relação entre O arrebatamento de Lol V. Stein, Duras e Lacan.

Diante do contexto que envolve o enredo de Duras, Porge relata que o início da loucura presente na personagem está entrelaçado com o amor. E que Lacan também se identifica com esse relacionamento entre personagens.

O caso de Lol inscreve-se numa sequência que está ligada à importância do interesse pelo amor e pela loucura feminina no engajamento de Lacan com a psicanálise — com a novidade de que, no que concerne a Lol, Lacan já é psicanalista. – O Arrebatamento de Lacan

Entre referências, a obra mostra que Lacan utiliza o jokempô, no sentido psicanalítico em que se observa a dominância, e substitui os três termos (que seriam pedra, papel e tesoura) por: saber, verdade e sexo.

Por exemplo, poderíamos dizer que o sexo corresponde à tesoura (a castração); o sujeito, ao papel (a superfície do significante em rede que o determina); e a pedra, a um saber do objeto a, que cai. – O Arrebatamento de Lacan

Érik Porge, em O Arrebatamento de Lacan, demonstra como Lacan dedicou-se e desmembrar a personagem Lol e como sua Homenagem não foi somente um texto sobre o romance da autora, e sim um escrito original. Porge entrega ao leitor a relevância que a tríade tem para a análise. Afinal, quem é arrebatado? De onde é possível olhar, ser olhado e perceber-se olhado? Quais as consequências disso para o sujeito? Quais as possibilidades do amor nas relações?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.