As 10 melhores animações “blockbuster” do século 21

Grande parte desse tipo de filme vem dos EUA, mas isso não significa que apenas trabalhos de lá estejam entre as melhores

Cena de “Uma história de amor e fúria”, que retrata o Rio de Janeiro no ano 2096

Cena de “Uma história de amor e fúria”, que retrata o Rio de Janeiro no ano 2096

Marcos Nunes Carreiro

Listas são sempre polêmicas. Por isso, já aviso logo que esta é fruto de escolhas únicas e inalienáveis deste que vos escreve. As justificativas estão postas e aceito questionamentos e novas listas feitas por você, caro leitor. Critique-me. A intenção da lista é mostrar que há enredos bem feitos e histórias fantásticas – se me permitem a ambiguidade do termo – nessas produções. Um fato importante é que não há apenas ganhadores de Oscar na lista, embora haja muitos.

A questão é: a lista foi feita tendo em mente apenas aqueles filmes “blockbuster”, isto é, de muita aceitação entre o público e, consequentemente, de excelente bilheteria. A única exceção, como verá o leitor, é a animação brasileira “Uma História de Amor e Fúria”, que entrou na pré-seleção de indicados ao Oscar de 2014, mas não teve “aquela” abrangência nas salas de cinema. A classificação por número é mais uma questão didática do que necessariamente pelo fato de uma animação ser melhor que a outra. Cada uma foi escolhida por um motivo em particular e, por isso, merece um lugar neste “cânone”. Veja:

1) Os Incríveis

Foto pequena 1

A história da família Pêra merece o primeiro lugar desta lista por um simples motivo: esta animação foi responsável pe­la reformulação do pa­pel do he­rói na sociedade. O filme mostra como as instituições sociais começaram a desprezar os (super) heróis, afinal, eles destruíam a cidade durante sua luta contra o crime. Os gastos públicos eram muito grandes e o custo-benefício passou a ser negativo. Pela primeira vez em animações de grande investimento, vimos a sociedade se (re)voltando contra os super-heróis, algo que agora veremos no cinema em Batman vs. Superman e Capitão América: Guerra Civil. “Os Incríveis” fez história.

2) Uma história de amor e fúria

Foto pequena 2

O leitor pode pensar: “ora, esse filme não é um ‘bockbuster’. Que filme é esse, afinal?”. Bem, esta animação – que estreou nos Estados Unidos com o título “Rio 2096: A Story of Love and Fury”, em 2013 – foi a primeira produção totalmente brasileira a chegar com chances de ganhar o Oscar. Além de uma produção gráfica muito bem feita, o enredo contém belíssimos traços de metaficção historiográfica, pois reconta a história das lutas do Brasil de 1560 à atualidade e ainda ficcionaliza os conflitos do ano 2096. Isto é, retrata a história brasileira: da luta indígena pela sobrevivência à colonização à escassez de água que provavelmente atingirá o país no futuro. Essa animação deve ter lugar garantido em todas as listas do gênero.
Foto pequena 3

 

3) Wall.E

Nem é necessário falar largamente deste filme, que tem uma das histórias mais bem contadas tendo por recurso o não-diálogo. Afinal, Wall.E e Eva, dois robôs, não conversam por meio de palavras, que passam a ser quase desnecessárias ao en­tendimento de quem assiste, pois a linguagem não-verbal toma conta do ima­ginário e dá conta do enredo. A decisão por usar esse re­curso estilístico é um dos grandes responsáveis por dar à animação o Os­car da categoria em 2009 – além, claro, da ma­­gnífica execução gráfica.

 

4) Happy Feet (1 e 2)

(L-r) Mumble, voiced by ELIJAH WOOD; and Erik, voiced by AVA ACRES, in Warner Bros. Pictures’ and Village Roadshow Pictures’ animated family comedy adventure “HAPPY FEET TWO,” a Warner Bros. Pictures release.

Os filmes são tão bonitos que sempre é preciso dizer: “Maldito cisco no olho”. Além da melhor trilha sonora já colocada em uma animação (sempre que vejo o filme preciso correr e ouvir Stevie Wonder depois), este filme traz “o” tema da atualidade: a necessidade de atenção às políticas ambientais. E faz isso com uma verossimilhança interna de dar inveja a muitos autores de ficção. O Oscar de 2007 foi mais que merecido a esta magnífica obra produzida pela Village Roadshow Pictures e pela Warner Bros.

5) A lenda dos guardiões

LEGEND OF THE GUARDIANS: THE OWLS OF GA'HOOLE

Não, esta animação não é aquela que conta a história do Papai Noel, do Coelhinho da Páscoa, João Pestana e companhia (esse é A origem dos guardiões). Este filme conta a história de Soren, uma corujinha fascinada pelas histórias dos alados guerreiros míticos que travaram uma grande batalha para salvar a espécie de uma enorme ameaça. Por que ela está na lista? Porque seu roteiro é a mais absoluta prova de que é possível unir dois gêneros literários, pois é um híbrido da épica epopeia heroica e da fábula. E faz isso com uma influência enorme do escritor britânico J.R.R. Tolkien, o primeiro a hibridizar os gêneros – embora o tenha feito com a epopeia heroica e o conto maravilhoso.

Foto pequena 6

6) Toy Story (trilogia)

Toy Story marcou a infância e adolescência de muitas pessoas. Isso porque Woody e Buzz Lightyear são os maiores exemplos de lealdade já vistos nas telas de cinema. É tanto que algumas crianças até quiseram escrever Andy na sola dos seus sapatos direitos – algumas de fato o fizeram. Além disso, o filme (Oscar em 1996 e 2011) foi pioneiro em criar verossimilhança interna para guiar uma trilogia, fazendo isso com uma sutileza sem tamanho. Toy Story são filmes que merecem estar em qualquer lista que trate de animações.

 

7) Como treinar o seu dragão

Foto pequena 7

Prefiro infinitamente o primeiro filme ao segundo. Acho que deveria ter ganhado o Oscar em 2011 e concordo que “Como treinar o seu dragão 2” tenha perdido o deste ano, até porque “Big Hero” teve competências gráfica e de enredo muito maiores (aqui uma explicação: “Big Hero” só não está na lista porque não trouxe nada de exatamente novo para as telas. Gostei demais do filme; sim, os gráficos são os melhores já feitos; e o enredo é bom. Porém, a história do vilão contra um grupo de heróis é comum). Por que só o primeiro filme está na lista? Porque é o único que representa os dragões em sua complexidade e função mitológicas: a do supremo desafio, que nenhum homem consegue vencer por suas próprias forças. No segundo, uma vez domesticados pela “sociedade viking”, os dragões não têm mais sua função primitiva. Por isso, embora goste do segundo filme, não posso colocá-lo aqui.

8) Valente

"BRAVE"   (Pictured) MERIDA. ©2012 Disney/Pixar. All Rights Reserved.

O papel da mulher foi reavivado de maneira ímpar neste filme (algo que foi retomado em Frozen no ano seguinte, o que justifica a falta deste na lista). Não à toa, Valente foi o primeiro filme da Pixar a ter uma protagonista mulher e que ganhou o Oscar de Melhor Animação em 2013. Além disso, Valente conta melhor que nenhum outro filme a jornada heroica feminina. Como disse na apresentação, a classificação por número é mais uma questão didática. Valente poderia facilmente estar na primeira posição desta lista. É um filme e tanto!

Foto pequena 9

 

9) Coraline

O stop-motion baseado no livro homônimo do autor britânico Neil Gaiman – autor de Sandman, a melhor história em quadrinhos já feita, na minha opinião – é uma das mais profundas histórias criadas para filmes do gênero. O principal aspecto do filme remete à função dos espelhos como delineada por Michel Foucault: a do meio termo entre a heterotopia e a utopia, isto é, um lugar entre dois mundos – o real e o imaginário. Um belo filme.

 

 

 

 

 

 

10) A viagem de Chihiro

Foto pequena 10

Oscar de 2003, esta animação japonesa, além de trazer à tona o tema da viagem (presente em quase todas produções do gênero, até porque é a ferramenta principal para qualquer autor de uma narrativas fantásticas), “A viagem de Chihiro” é uma das melhores animações de todos os tempos. Sério! É uma sequência tragicômica com uma competência gráfica incrível e um roteiro fantástico. Preciso as­sistir de novo. Se o leitor ainda não conhece, veja!

Uma resposta para “As 10 melhores animações “blockbuster” do século 21”

  1. Avatar Epaminondas disse:

    Menções honrosas, mas previsíveis, como as “Chihiro”, “Coraline” e os da Pixar. Fiquei surpreso que não tenha sido incluído “Ponyo” (igualmente produzido pelo Estudio Ghibli, de “Chihiro”). Embora se fosse destacar um único filme do estúdio japonês, seria “A Princesa Mononoke”.

    Toy Story é necessariamente uma aventura comercial, não há grandes méritos nele. Mas abriu para o excepcional supracitado “Wall-E” e um destoante “Valente” (destoa das produções da Pixar).

    “Som e Fúria” é o que se espera dele: A pretensão brasileira em fazer cinema como o americano. Tanta pretensão que dá gastura.

    “A Lenda dos Guardiões” é um excepcional filme, mas infelizmente ignorado. Já o “Origens dos Guardiões” é um bom filme, mas depois dos Perpétuos (“Sandman”, do mesmo de Coraline, Neil Gaiman), “Liga dos Cavalheiros Extraordinários” (Alan Moore), “Fábulas”, parece manjado uma “liga da justiça” de heróis de carochinhas.

    Se vamos mencionar os japoneses, faltou a menção de “Ghost In The Shell”, que resume todo o cyberpunk dos anos 80 de forma excepcional. Embora as audiências hoje conheçam o filme por via do “Matrix” que os Wachowski beberam sem moderação.

    Fugindo do universo “EUA-Japão”, temos “O Gato do Rabino” ou “A Loja dos Suicidas”, produções francesas que valem a pena. Principalmente o primeiro, animação de alto nível e narrativa que foge o que se espera de uma animação.

    Por fim, senti falta de um título: “Rango”. Mas compreendo, se a intenção era só desenhos animados. Embora “Rango” seja tão animado quanto, ele é uma paródia-homenagem e toda filmografia de faroeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.