O economista e deputado Javier Milei (Libertad Avanza) venceu as eleições para presidente da Argentina, neste domingo (19/11), com 55,8% dos votos válidos. O seu opositor, o candidato peronista Sergio Massa (Unión por la Patria), ficou com 44,2% dos votos até o momento, com 96,7% de apuração.

Sergio Massa, candidato pelo Unión por la Patria e ministro da Economia da Argentina, já reconheceu sua derrota para Javier Milei. O discurso foi feito antes da divulgação dos resultados oficiais do 2º turno.“Obviamente, os resultados não são os que esperávamos. Me comuniquei com Javier Milei para parabenizá-lo e para desejá-lo sorte porque ele é o presidente que a maioria dos argentinos escolheu para os próximos quatro anos”, afirmou o ministro da Economia.

Outro que já reconheceu a vitória de Milei foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que se manifestou em uma postagem no X, o líder petista desejou “boa sorte e êxito ao novo governo”, enfatizando a importância de respeitar a democracia e as instituições argentinas. Lula destacou o papel do povo argentino na jornada eleitoral, elogiando a participação ordeira e pacífica.

“A democracia é a voz do povo, e ela deve ser sempre respeitada. Meus parabéns às instituições argentinas pela condução do processo eleitoral”, afirmou Lula. Além disso, expressou respeito à grandeza da Argentina, destacando que o Brasil está à disposição para colaborar com os irmãos argentinos.

Lula já afirmou para fontes próximas que não planeja comparecer à posse nem telefonar para Milei em Buenos Aires. A tensão entre eles é evidente, com o argentino já tendo chamado o ex-presidente brasileiro de “comunista” e “corrupto”.

Em diversas entrevistas durante a campanha, Milei reiterou sua intenção de não se reunir com Lula durante seu mandato, além de planejar a retirada da Argentina do Mercosul. As divergências entre os líderes políticos de esquerda e ultraliberais na América Latina se tornam cada vez mais evidentes em meio a este novo cenário político argentino.

Milei, de 53 anos, é conhecido por suas propostas ultraliberais, incluindo a promessa de cortar relações com países que considera “comunistas”, como China e Brasil, e a intenção de desvincular-se do Mercosul. Suas posições controversas renderam-lhe apoio de Jair Bolsonaro, ex-presidente brasileiro, que manifestou publicamente seu respaldo a Milei e até mesmo prometeu comparecer à posse em caso de vitória.

E, nas redes sociais, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi um dos primeiros a comentar o resultado argentino. “Que esses bons ventos alcancem os Estados Unidos e o Brasil para que a honestidade, o progresso e a liberdade voltem para todos nós”, escreveu.