A entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza está prevista para ocorrer nesta sexta-feira, 20. A informação foi divulgada e confirmada pela Casa Branca, nos EUA.

A expectativa é a de que a entrega ocorra na passagem de Rafah, ponto crucial entre Gaza e o Egito, onde cerca de 100 caminhões com mantimentos esperam autorização para adentrar.

As autoridades locais, no entanto, afirmaram que somente 20 deles serão autorizados a cruzar a fronteira por Rafah. O motivo seria principalmente relacionado ao tempo de inspeção das cargas, uma vez que uma das maiores preocupações de Israel é a de que membros do Hamas se infiltrem em alguns dos caminhões.

Israel, inicialmente, havia restrito o acesso de insumos essenciais como água, alimentos, eletricidade e combustível para Gaza. Porém, após pressões da comunidade internacional e uma conversa com Joe Biden, presidente dos EUA, Benjamin Netanyahu, líder de Israel, permitiu a entrada de auxílio humanitário.

Coordenadas pela ONU, organizações humanitárias globais, junto a representantes egípcios e americanos, buscam garantir que a assistência chegue efetivamente. Netanyahu assegura que não barrará mantimentos, contanto que não beneficiem o Hamas.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS (Organização das Nações Unidas), ressaltou a importância do combustível para infraestruturas hospitalares em Gaza, solicitando sua inclusão nos envios.

“O combustível também é necessário para geradores hospitalares, ambulâncias e usinas de dessalinização – e instamos Israel a adicionar combustível aos suprimentos vitais autorizados a entrar em Gaza”, disse.

Participação brasileira

Os mantimentos estão no Aeroporto Internacional de Al-Arish, no Egito, a 44,5 quilômetros de Rafah. De lá, o carregamento terá que seguir por terra até o posto na fronteira com a Faixa de Gaza.Após deixar o carregamento em Al-Arish, a aeronave e a tripulação brasileira decolaram para o Cairo, onde aguardam a liberação para buscar os cerca de 30 brasileiros na Faixa de Gaza que manifestaram desejo de voltar ao Brasil.

Possível atraso

Os mantimentos estão no Aeroporto Internacional de Al-Arish, no Egito, a 44,5 quilômetros de Rafah. De lá, o carregamento terá que seguir por terra até o posto na fronteira com a Faixa de Gaza.Após deixar o carregamento em Al-Arish, a aeronave e a tripulação brasileira decolaram para o Cairo, onde aguardam a liberação para buscar os cerca de 30 brasileiros na Faixa de Gaza que manifestaram desejo de voltar ao Brasil.

Possível atraso

A CNN indicou possíveis atrasos na abertura da passagem devido a situações voláteis. Após o ataque do grupo Hamas a Israel, um bloqueio foi imposto em Gaza, complicando o cenário para os palestinos.

Ajuda se mostrou urgente

Após o ataque massivo do Hamas contra Israel no último dia 7, que matou centenas de pessoas, o país impôs um bloqueio total ao território palestino, interrompendo a entrada de água, comida, combustível e eletricidade. Desde então, a situação para os mais de 2,3 milhões de palestinos que vivem em Gaza vem se deteriorando rapidamente.

“O direito humanitário internacional é muito claro: você não pode fazer uma população inteira passar fome. Você não pode usar ajuda, comida ou água como um instrumento de guerra para qualquer fim político ou militar”, afirmou Marwan Jilani, diretor geral da organização Crescente Vermelho para a Palestina (como é chamada a Cruz Vermelha em países islâmicos), à emissora Al Jazeera.

O que é a passagem de Rafah

Os postos de controle conhecidos como passagem de Rafah são o único lugar em que é possível cruzar do Egito para a Faixa de Gaza, ou ao contrário, e ficam localizados na cerca de quase 13 km que separa o território palestino da península do Sinai.