O pavilhão brasileiro na COP27 inicia hoje, 8, a série de palestras programadas para o evento, que reúne até o dia 18 em Sharm el-Sheikh, no Egito, representantes oficiais de governos e da sociedade civil, para discutir maneiras de enfrentar e se adaptar às mudanças climáticas. Para fugir de temas como desmatamento, o discurso oficial brasileiro deve ser focado em energia limpa.

A delegação brasileira é chefiada pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, que chegará dia 15 no Egito. Até lá, o ministro participará de debates online, integrando participantes do Brasil e do Egito, a partir do Espaço Brasil montado na Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília.

Entre os temas a serem debatidos estão o “Futuro verde na mobilidade urbana”; “Integração do Mercado Global de Carbono”; “Governança Como Instrumento de Aceleração do Desenvolvimento Sustentável na Gestão Pública”; “Escolas +Verdes”; “Mercado de capitais e ativos ambientais”; e “Aperfeiçoamento do Inventário Nacional de Gases de Efeito Estufa (GEE)”.

Para especialistas, no entanto, a presença de representantes do Executivo Federal não deve ganhar atenção. O mundo quer saber do outro Brasil, o da explosão no desmatamento e crimes ambientais, que deve ser apresentado pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e – talvez – pelos governadores da Amazônia Legal nos dias que se seguem.

ONU
Ontem, 7, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, defendeu um “pacto de solidariedade climática” entre os países participantes da conferência que, segundo ele, evitaria o que classificou como “suicídio coletivo” do planeta.

“Trata-se de um pacto no qual os países mais ricos e as instituições financeiras internacionais deverão fornecer assistência financeira e técnica para ajudar as economias emergentes a acelerarem sua própria transição de energia renovável”, disse Guterres.