Informações sobre a identidade do suspeito de destruir o relógio do século XVII, trazido por Dom João VI ao Brasil, estão circulando pelas redes sociais. Segundo os boatos, o suposto autor seria um morador de Catalão, município no sudeste de Goiás, e teria sido identificado por um vizinho em um grupo de WhatsApp. Entretanto, a Polícia Civil de Goiás (PCGO) não confirmou a informação.

Ainda sem uma identificação confirmada, o vândalo que destruiu o relógio foi flagrado por um câmera de segurança no local. Em imagens divulgadas pelo Fantástico, da TV Globo, foi possível ver detalhes da destruição da peça fabricada pelo relojoeiro francês Balthazar Martinot. As cenas ainda mostram completamente o rosto do suspeito e que ele usava uma camiseta com o rosto do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Outro boato que circulou pelas redes sociais foi sobre o relógio ter sido destruído antes das invasões. A conspiração é de que a peça estava com o horário marcado nos ponteiros entre 12h30 e 13h30, antes do horário da confusão. Só que a gravação da câmera de segurança indicou que a ação ocorreu às 15h33, durante o horário da invasão. Fora que a Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo informou que o artefato não funciona há vários anos e por isso os ponteiros estavam parados.