O Ministério Público de Goiás (MPGO) deflagrou na manhã desta terça-feira, 31, operação com objetivo de desarticular organização criminosa suspeita de fraudar licitações em Goiânia e mais seis municípios do Estado – Aparecida de Goiânia, Anápolis, Brazabrantes, Pontalina, Piracanjuba e Nerópolis. Além das fraudes, os investigados são suspeitos de praticarem falsidades ideológicas, lavagem de capitais, organização criminosa, entre outros crimes.

A Operação Impostura acontece por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e cumpre 14 mandados de busca e apreensão em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Senador Canedo e Hidrolândia.

Segundo o MP, as fraudes do grupo criavam alinhamento de preços entre concorrentes em licitações, com intenção de burlar o caráter competitivo da disputa.

São alvos das medidas judiciais de busca e apreensão a sede de quatro empresas e residências de oito pessoas físicas, incluindo sócios, representantes e contadores das empresas. Elas teriam sido criadas para integrar o esquema e colocadas em nomes de laranjas, familiares ou ex-empregados das empresas. As empresas participavam das licitações, muitas vezes, em simultaneidade, além de compartilharem alguns espaços físicos para guarda de veículos.

As contratações de licitações investigadas se referem a diversos produtos e serviços, incluindo iluminação pública, fornecimento de material didático, impressão de livros, fornecimento de materiais gráficos (carimbos, envelopes, blocos, etc), emissão de boletos de arrecadação de IPTU, compra de tendas, banheiros químicos e serviços de publicidade. Até agora, não há sinais de participação de servidores públicos no esquema.

Em alguns casos, os representantes das empresas abandonaram os processos de licitação após detecção de indícios suspeitos de conluio, já que as propostas apresentavam valores idênticos, incluindo erros de cálculos repetidos.

A operação tem o apoio das polícias Civil e Militar. Participaram do cumprimento da ordem judicial 119 servidores públicos, sendo 14 promotores de justiça, 1 delegado de Polícia Civil, 54 servidores do Ministério Público e 50 policiais militares.