O juiz Everton Pereira Santos condenou a Enel Goiás a pagar indenização de R$ 5 mil a um consumidor por corte irregular de energia elétrica em um fim de semana. Mesmo resguardado pela Lei Federal 8.987/1995, que proíbe o desligamento de serviços essenciais como água e luz, nos sábados, domingos e feriados, ele teve sua energia cortada no seu dia de descanso. O caso aconteceu no dia 4 de julho de 2021, em Anápolis, e envolve outras várias irregularidades na conduta.

Segundo informações do cliente, ao entrar em contato com a concessionária no mesmo dia, recebeu a informação que o corte seria devido a uma conta em aberto com 16 dias em atraso. De acordo com a lei, a suspensão por inadimplência no fornecimento de energia só pode ocorrer após notificação prévia do consumidor, de forma escrita com entrega comprovada ou de maneira impressa em destaque na fatura e com, no mínimo, 15 dias de antecedência, o que não ocorreu.

Para resolver a situação, o cliente optou por quitar sua única parcela em aberto, mas a Enel não restabeleceu a energia no mesmo dia, embora tivesse se comprometido a fazê-lo. O restabelecimento da normalidade só aconteceu 36 horas depois, quando ele optou por pedir ajuda da Secretaria de Defesa do Consumidor/ Procon-Anápolis com todos os talões de energia em mãos, incluindo a parcela de junho de 2021.

O magistrado considerou que “o descumprimento do contrato e da obrigação de prestar o serviço essencial de forma contínua gerando, inclusive in casu, uma expectativa de inexistência de corte, uma vez pago o débito, gera dano moral diante da angústia e sentimento de impotência incutido no consumidor que se viu privado de utilizar o serviço fazendo emergir um sentimento de indignação, estados anímicos estes caracterizadores do alegado dano moral.” A sentença foi proferida em setembro de 2022 e transitou em julgado.

A advogada Ana Luiza Fernandes de Moura observa que, infelizmente, essas práticas por parte de concessionárias de serviços ainda são recorrentes e a busca da reparação judicial é um meio de induzir a melhoria do atendimento. “Mais importante do que o valor da indenização é o respeito ao cidadão que é restituído em decisões com essa. Por isso, é tão importante difundir desfechos positivos porque muitos cidadãos desconhecem seus direitos”, disse.

O Jornal Opção entrou em contato, por e-mail, com a assessoria de imprensa da companhia energética. Sem revelar detalhes, o departamento informou, por meio de nota, que a empresa “segue as determinações da Justiça”.