Em reação aos atos antidemocráticos realizados nas sedes dos três poderes do país, no último domingo, 8, em Brasília, o governador Ronaldo Caiado destacou a necessidade de rigor na apuração de todos os responsáveis, mas pediu. Em entrevista à Rádio Bandeirantes realizada na manhã desta terça-feira, 10, Caiado chamou atenção para o que chamou de “rotulação do agro”. “Uma coisa que peço neste momento ao governo federal é que, realmente, levante os responsáveis, mas jamais tente rotular, criminalizar, demonizar a figura do produtor rural no Brasil”, ponderou.

O governador espera que excessos cometidos por nomes ligados ao setor não permitam uma postura de generalização, visto que, em sua análise, a parte não representa os interesses da área. “Isso não é a radiografia do setor produtivo”, defendeu. “Quero deixar claro que a agropecuária brasileira tem significado, importância e relevância ímpar”, afirmou Caiado, acrescentando ainda que o agro é o sustentáculo da economia brasileira.

Para Caiado, o momento é de identificar e responsabilizar líderes extremistas que protagonizaram a violência em Brasília, independente de alinhamento político ou setor de atuação. O governador também destacou que os atos ganharam força a partir do momento em que o sistema eleitoral brasileiro passou a ser questionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e apoiadores.

“Aquilo que assistimos no domingo foi uma barbárie, expõe o Brasil internacionalmente. Foi criminoso, inadmissível”, afirmou. “O ponto que alimentou a tese de que pudesse ter uma prática criminosa na apuração dos votos levou a essa insurgência maior vista não só do setor [rural], mas de outras profissões também e de vários segmentos da sociedade”, completou.