O vereador Lucas Kitão (PSD) indicou mais de R$ 1,2 milhão em verbas, por meio de emendas impositivas, para a Federação Goiana de Jiu-Jítsu (FGJJ), em março. A entidade é presidida por Rodrigo de Castro Ribeiro, assessor do parlamentar desde janeiro de 2021. O diretor também é um dos alvos de investigação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) por envolvimento em um esquema de desvio de dinheiro.

Segundo levantamento que circula pela mídia goiana, a FGJJ recebeu R$ 1,2 milhão para realizar seis eventos esportivos, junto a Secretaria Municipal de Esportes de Goiânia (SMESP), em 2023. As competições seriam os dois Grand Prix – GOxDF; a Goiânia Cup Internacional Pro; o Troféu Brasil de Jiu-Jítsu; a Winterfall League BJJ Pro; e a Prime International de Jiu-Jitsu. O termo para repasse das verbas foi assinado pela SMESP.

Além de presidir a FGJJ, Ribeiro também comanda a Associação Centro-Oeste de Jiu-Jítsu (COJJ), uma das investigadas pelo MPDFT durante a Operação Armlock. Segundo as investigações, a entidade teria recebido verbas para eventos, mas não os realizou. Dessa forma, o dinheiro público era desviado.

Questionado pelo Jornal Opção a respeito, o vereador Lucas Kitão respondeu que fará uma consultoria e, caso seja necessário, reavaliará a função do assessor no cargo. Ele ainda conta que Ribeiro foi contratado por conta de sua “experiência e capacidade de diálogo” em públicos esportivos diversos, principalmente na modalidade das artes marciais. 

“Todo gabinete tem vários integrantes com a função de promover a articulação política do mandato e políticas públicas de interesse social. No caso, o Rodrigo (de Castro Ribeiro) é o assessor parlamentar voltado para as políticas de esporte”, explicou. O vereador ainda destacou que ele possui um histórico de atuação no esporte em Goiás, com promoção de eventos de alcance nacional e internacional. 

Sobre as emendas impositivas para a FGJJ, Kitão afirmou que acompanha a entidade há vários anos, antes de decidir indicar a verba. Ele ressaltou que todos os eventos que receberam aporte financeiro garantem isenção de 70% das inscrições gratuitas para atletas de baixa renda. “As indicações foram aprovadas na Lei Orçamentária Anual (LOA) do ano de 2022, cada evento receberá cerca de R$ 200 mil reais, algo que está dentro da média de cada evento deste porte”, justificou.

O pessedista reiterou que todas as emendas impositivas indicadas são analisadas, aprovadas e empenhadas para os eventos. Sendo que a FGJJ deverá prestar contas, seguindo as determinações da SMESP, o que inclui outros patrocínios públicos e privados. Por isso, ele salienta que a situação é totalmente diferente do caso ocorrido no Distrito Federal.

Por fim, ele colocou o gabinete à disposição para ajudar nas investigações e, caso tenha necessidade, tomará as devidas medidas junto ao Paço Municipal, ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) e nas investigações que são feitas no DF.

Eventos que receberam verbas impositivas, em parceria com a SMESP:

26/27 de maio – Prime Internacional de Jiu-Jitsu
24 de junho – Grand Prix – GOxDF
7/8 de julho – Goiânia Cup International Pro
25/26 de agosto – Troféu Brasil de Jiu-Jitsu
23 de setembro – Grand Prix – GOxDF
21 de outubro – Winter Fall League BJJ Pro