A Prefeitura de Goiânia apresentou nesta terça-feira, 02, os dados da prestação de contas para a Câmara Municipal de Goiânia. Segundo o material, houve um superávit de R$ 423 milhões no terceiro quadrimestre de 2022, superando o resultado de 2021, quando alcançou R$ 149,8 milhões. Também ocorreu um aumento de receita de 9,28% em relação ao ano anterior, chegando a R$ 7,12 bilhões em 2022.

Ainda foi destacado o aumento das receitas tributárias, que cresceram 12,46% durante o período. Segundo o prefeito Rogério Cruz (Republicanos), a atual situação das finanças públicas permitiu mais investimentos no campo social, como educação e saúde.

“Vamos garantir a tranquilidade dos pais e mães que precisam da estrutura do poder público para deixar os filhos”, apontou Cruz, em discurso no plenário da Casa. “Também não esquecemos da valorização dos trabalhadores da educação. No último anos, esses profissionais receberam salários corrigidos com o piso, a garantia do data base é aumento da gratificações”, acrescentou.

Já na área da saúde, o prefeito destacou a construção de novas unidades de saúde. “Vamos retomar todas as unidades administradas pela Secretaria de Saúde (SMS). Fora que assinei a ordem de serviço para entregar mais três das 12 unidades de saúde prometidas ainda nesta gestão”, contou o gestor.

Outros investimentos citados pelo prefeito foram a obra de pavimentação em 13 bairros da capital. Incluindo a continuação da avenida Leste-Oeste. Fora um montante de R$ 70 milhões para resolver problemas de drenagem em diversos locais da cidade, como Setor Chácaras Maringá e Jardim Goiás.

Para o secretário de Finanças, Vinícius Henrique, o crescimento da arrecadação e a situação de superávit foram cruciais para os investimentos e pagamento de servidores. “A arrecadação do município gera receita, que se torna política pública, incluindo obras para atender as demandas da população”, destacou o titular da pasta.

Necessidade de investimentos

Para a vereador Kátia Maria (PT), os números foram positivos, principalmente no ponto do crescimento da arrecadação. Entretanto, a parlamentar cobrou que fossem feitos mais investimentos em questões sociais. Ela destacou que não adianta ter dinheiro em caixa, mas não ser utilizado para a população.

“Por conta da pandemia, as demandas da saúde, educação e da assistência social cresceram, houve aumento na vulnerabilidade da população. Então, não adiantar apresentar esses dados sem dar condições para os trabalhadores dessas áreas possam atender diretamente os cidadãos de Goiânia “, apontou.