A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apontou Goiânia como uma das capitais com o menor preço dos combustíveis, em todo o país, durante a última semana. Segundo o levantamento divulgado na segunda-feira, 17, o litro da gasolina foi vendido a R$ 4,75 enquanto o etanol saiu por R$ 3,19. Em comparação com o restante do Brasil, a cidade ficou em 7º e 2º lugar respectivamente na classificação.

Conforme apontou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo (Sindiposto-Go), Márcio Andrade, em entrevista para o Jornal Opção, a capital goiana foi na “contramão” do restante do Brasil com uma queda nos valores. Por exemplo, ao contrário da média nacional da gasolina, que subiu de R$ 4,79 para R$ 4,86 nas bombas, em Goiânia estava em R$ 4,82 e reduziu sete centavos no mesmo período.

“Basicamente, Goiás andou na contramão porque os postos de combustível no estado estão vivendo um momento de alta competitividade”, explicou o presidente, contando a razão para a queda dos valores. “Essa volatilidade dos preços que está acontecendo reduz muito a margem de lucro dos postos porque os preços sobem e o reajuste demora a ser repassado para o consumidor”, completou.

Andrade também destacou que o baixo preço do etanol também é normal em Goiânia por conta de outros fatores. “Sempre tivemos um dos etanóis mais baratos do país porque o nosso Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o combustível é um dos menores. Fora que Goiás é o segundo maior produtor de etanol do Brasil, atendendo toda a demanda de consumo interna e ainda com a capacidade para exportar. Isso abaixa o valor porque a competitividade na região aumenta”, explicou o diretor.

Entretanto, Márcio ainda alerta que os valores podem aumentar nas próximas semanas. “Neste momento, a expectativa é de novos aumentos em função do preço interno estar descolado com o internacional. A Petrobras pode anunciar um reajuste, mas ainda existe a confirmação, o que deixa difícil fazer uma previsão”, disse. Ele ainda ressalta que as oscilações de valor dos componentes dos combustíveis também deixam a estimativa complexa.