Representantes do Conselho de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO) farão vistorias em pontes e viadutos classificados como Obras de Artes Especiais (OAE) em Goiânia, após avaliação de estado crítico nas estruturas das construções. O trabalho começa a partir desta sexta-feira, 16, com foco nos locais que registraram as piores avaliações em relatório técnico apresentado pelo Conselho.

Com base na norma ABNT NBR 9452, que descreve metodologia para classificar o estado de conservação das estruturas, o Crea fez um levantamento prévio 121 OAEs em Goiânia e apontou duas equipes que se dividirão para atuar na análise das 13 obras com mais problemas. A seleção inclui as dez piores estruturas avaliadas, além de outras três selecionadas pelo risco de piora nas avaliações de funcionalidade.

As estruturas com maior prioridade de interveção foram a ponte localizada na Av. T-63 sobre o córrego Cascavel, em primeiro, com destaque para a ponte da Av. das Pirâmides sobre o córrego Água Branca e a ponte da Av. Acary Passos sobre o córrego Água Branca

Vistorias

Segundo os dados apresentados pelo Crea, mesmo estruturas novas e recém inauguradas apresentam problemas crônicos recorrentes na maior parte das OAEs vistoriadas. Sendo assim, o relatório conclui que o “aumento significativo da vida útil das estruturas pode ser facilmente alcançado, com investimento relativamente baixo” com foco em adequação de tecnologias de drenagem que ofereçam risco de de corrosão de armaduras, bastante frequente nas estruturas de Goiânia.

Diante disso, o Crea sugere que aos gestores das OAEs de Goiânia – que incluem Prefeitura, Governo do Estado, Concessionária Triunfo Concebra e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) – elaborem “plano de vistorias e inspeções periódicas que trace diagnósticos precisos das manifestações patológicas estruturais relatadas”.

Relatório

Para desenvolvimento do relatório, o conselho técnico fez um levantamento preliminar das OEAs que poderiam ser avalaidas. PAra isso, foram utilizadas imagens de satélite georeferenciadas, mapeando cursos d’água e principais vias da capital. Nesse momento, foram identificadas 121 OAEs, das quais foram vistoriadas 68, em razão de prioridade por porte e complexidade estrutural

Selecionadas 51 pontes e 17 viadutos, a equipe partiu para nova etapa de levantamentos das condições de conservação das instalações, a fim de observar as principais manifestações patológicas incidentes nos elementos estruturais e funcionais. Na maioria das observações, a principal condição foi observada foi de manchas de umidade pela estrutura. O problema foi detectado em 78% das OEAs vistoriadas (53, de 68).

Outros destaques no relatório apontam 48 OAEs (71%) com lixiviações no concreto, 42 (62%) com corrosão de armadura e 39 (57%) com elementos funcionais danificados. Além disso, há fatores com menor incidência, como segregação do concreto, presente em 24 OAEs (35%), seguida de fissuras (24%) e encontros danificados com 12% das estruturas.

Confira a lista completa de pontes e viadutos que devem receber a vistoria:

  • Av. Universitária, sobre o Córrego Botafogo
  • Av. das Pirâmides, sobre o Córrego Água Branca
  • Av. Acary Passos, sobre o Córrego Água Branca
  • Dr. Constâncio Gomes, sobre o Córrego Botafogo
  • Av. Perimetral Norte, sobre o Ribeirão João Leite
  • Av. Presidente Kennedy, sobre o Ribeirão João Leite
  • Rodovia BR-153, sobre a Avenida Olinda
  • Av. T-63, sobre o Córrego Cascavel
  • Av. T-9, sobre o Córrego Cascavel
  • Av. Marechal Rondon, sobre o Ribeirão Anicuns
  • Rua José Hermano, sobre o Ribeirão Anicuns
  • Av. Santo Afonso, sobre o Córrego Cascavel
  • Av. 24 de Outubro, sobre o Córrego Cascavel