Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Centro de Zoonoses, um a cada três lares em Goiânia tem um cão ou gato. A população de pets na capital é de 210 mil, enquanto a população humana é de 1,5 milhão e a média de 2,8 moradores por domicílio. Essa prevalência transformou os espaços urbanos, que agora estão preparados para receber animais de estimação. 

Shoppings e restaurantes de Goiânia passaram a aceitar pets. O arquiteto Paulo Renato Alves afirma que, num passado recente, os animais domésticos ficavam confinados nos quintais de casa, alimentando-se dos restos das refeições da família. “Hoje, essa realidade é completamente diferente”, salienta ele, que é sócio de um café no Setor Oeste, o Sax Coffee & More, que é pet friendly, aceitam os pets e oferece, inclusive, água e biscoitinho para os bichinhos.

Outro exemplo que ilustra essa mudança são os projetos imobiliários, que agora destinam um espaço pet na área de lazer, da mesma forma que cria um playground para as crianças. A arquiteta e gerente de empreendimentos da Consciente Construtora, Camila Inácio, lembra que eles são considerados membros da família e, como tais, precisam de projetos que os incluam, com oferta de mais lazer, amplos espaços verdes e comodidade.

Segundo a arquiteta, em cada lançamento, a empresa acompanha as demandas que aparecem no mercado. “Seja um banho pet para cuidar da higiene dos bichinhos ou até espaços mais amplos como um pet place completo, sempre há um espaço reservado para cuidar do bem-estar dos animais de estimação e membros da família”.

Por exemplo: no complexo WTC, torre residencial em construção no Setor Marista, os gatos também terão um espaço de diversão e bem-estar só para eles. O banho pet terá aquecimento elétrico de água nas torneiras, amplo espaço ao ar livre com paisagismo para os animais passearem e tomarem banho de sol.