A greve anunciada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) iniciou nesta segunda-feira, 19, nos principais aeroportos do país. Pilotos e comissários realizaram uma paralisação durante a manhã, entre 6h e 8h. O movimento ocorreu em Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Fortaleza, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo. 

Apesar do movimento ter ocorrido em poucas cidades, a situação ainda causou alguns problemas de operação, com voos cancelados e atrasados. No Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, não houve alteração no funcionamento. Segundo a concessionária CCR Aeroportos, administradora do local, houve um voo cancelado e dois atrasados por conta da paralisação. 

Por outro lado, a empresa ainda solicitou que os passageiros apurem junto às companhias aéreas a respeito de mais informações sobre a situação dos voos.

Na última sexta-feira, 16, a ministra Maria Cristina Peduzzi, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), havia determinado que pelo menos 90% dos pilotos e comissários deveriam estar em serviço durante a greve. Sendo na decisão, ela também reconheceu que não há abusividade na paralisação.

Por outro lado, os trabalhadores no campo da aviação rejeitaram uma proposta apresentada pelo TST. Com reposição de 100% da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), além de um aumento real de 0,5% sobre salários fixos e variáveis. Mas, 76,4% recusaram, entre os 5,7 mil que votaram de forma virtual durante o final de semana. 

De acordo com o presidente da SNA, Henrique Hacklaender, a categoria visa melhores condições de descanso, além do ganho real sobre os salários. “Um tripulante cansado e mal remunerado pode representar um risco à aviação”, apontou o sindicalista.