A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) recentemente divulgou regulamento com novos critérios para definição de clubes que disputarão a Copa do Brasil de 2024. A principal mudança para o próximo ano é que os clubes serão classificados de acordo o ranking das federações estaduais. Neste ano de 2023, ainda valerá o regulamento atual, que classifica por ranking nacional.

Como o novo formato, das 92 equipes, 80 sairão dos Campeonatos Estaduais. As vagas serão definidas pelas federações. São Paulo e Rio de Janeiro ficarão com a maior quantidade: seis no total. Já Goiás, terá três vagas, sendo que, duas delas já pertencem ao campeão e vice-campeão estadual. Ficará a critério da Federação definir os critérios para escolha do terceiro solucionado

Copa do Brasil

A Copa do Brasil é considerada o campeonato mais democrático do país. Esse torneio permite que clubes de diferentes divisões e de toda parte do país participem, podendo, por exemplo, colocar frente a frente um Flamengo e um São José do Amapá. Fora isso, a competição ainda é o caminho mais curto para chegar à Libertadores da América.

Outro atrativo para os clubes são as premiações oferecidas em cada fase do torneio. Na primeira fase por exemplo, um time pode já começar faturando até R$ 700 mil, e os valores vão aumentando de acordo com o avanço na competição. No ano de 2022, o vice-campeão embolsou R$ 25 milhões e o campeão, R$ 60 milhões. Portanto, só o fator financeiro já é um elemento que atrai pequenos e médios clubes.

Como os nossos principais clubes avaliam este novo formato?

O debate veio à tona depois que presidente do Conselho Deliberativo do Goiás, Edminho Pinheiro declarou que o Campeonato Goiano não é importante para o clube. “O Campeonato Goiano para o Goiás é um período de adaptação, experiências e treinamentos”, disse ele em entrevista após partida contra o Atlético Goianiense, valída pelo Goianão. Para muitos, Edminho desdenhou o torneio,

Adson Batista, presidente do Atlético, discorda do posicionamento ao destacar a importância do Campeonato Goiano para o clube e para o futebol local. “Para nós, o Campeonato Goiano é muito importante, é nostálgico. Agora muito mais, por conta desse novo formato de classificação para a Copa do Brasil, que é um dos campeonatos mais bem pagos desse país”, destacou.

O atleticano comentou ainda que o torneio é muito valorizado principalmente entre torcedores, que esperam entrega máxima em qualquer compeição disputada pela equipe. “O Goianão tem que ser importante para todos os clubes, porque quando não ganhamos, o desgaste é muito grande. O torcedor cobra muito. Nós encaramos o campeonato com muita seriedade. Evidente que as vezes é válido fazer algum teste, porém, levamos da maneira mais séria possível”, pontuo.

No Vila Nova, o discuros é semelhante. O vice-presidente Leandro Bittar ressalta que o Clube sempre valorizou muito o Goianão. “O Vila Nova valoriza todas as competições que disputa, e com o Goiano não é diferente. Essa é uma decisão da nossa gestão: valorizamos qualquer campeonato, seja ele profissional ou amador. A gente sempre procurou representar bem essa camisa e dá toda seriedade e credibilidade aos campeonatos”, esclareceu.

O vice-presidente também alertou para a importância da cobrança da torcida nessa disputa. “Tenho certeza que o torcedor vilanovense vê com bons olhos o Goianão. Tanto que somos cobrados diariamente por conta desse jejum de 17 anos sem títulos”, lembrou.

Para o vilanovense, a nova particularidade de classificação para a Copa do Brasil aumenta ainda mais a relevância do campeonato regional. “A Federação possuirá três vagas, sendo que, uma delas será decidida pelo ranking, então o Vila dará sim a devida atenção merecida ao campeonato”, garantiu. Bittar ainda garante que esse ano o Tigrão quebrará o jejum incômodo e voltará ao lugar de destaque no futebol goiano.

Procurado pelo Jornal Opção, o presidente do Conselho Deliberativo do Goiás, Edmo Pinheiro, reafirmou que não tira nada do que disse antes, e assegurou que o Goiás sempre estará no topo em qualquer competição disputada pelo clube.